Jerónimo diz que CDS “devia prestar contas” por votar contra fim de taxas na Saúde

O secretário-geral do PCP defende que o CDS devia “prestar contas” por votar contra fim das taxas moderadoras e acompanhamento de doentes não urgentes.

Cristina Bernardo

O secretário-geral do PCP afirmou este domingo que o CDS “bateu com a mão no peito em relação à saúde”e devia “prestar contas” por votar contra o fim das taxas moderadoras e o acompanhamento de doentes não urgentes.

“Estávamos a ouvir, no congresso, o CDS a bater com a mão no peito em relação à saúde. Pois [o CDS] devia prestar contas, porque votou contra o fim das taxas moderadoras e acompanhamento dos doentes não urgentes”, afirmou Jerónimo de Sousa, referindo-se ao congresso dos centristas que hoje terminou, durante o comício comemorativo do 97.º aniversário do PCP.

O secretário-geral criticou ainda os CTT por “fecharem balcões, desinvestirem e sugarem as reservas da empresa”, anunciando depois, como fizeram esta semana, que “vão distribuir aos seus accionistas dividendos que são mais do dobro do lucro obtido em 2017”.

Relacionadas

Cristas diz que só há uma escolha inequívoca contra PS e esquerdas

“Quem não acredita no Partido Socialista, quem não se revê nas esquerdas encostadas tem uma escolha clara, uma escolha segura, uma escolha inequívoca. E essa é só uma: nós, o CDS”, defendeu Assunção Cristas no discurso de encerramento do 27.º Congresso do CDS-PP, em Lamego (Viseu).
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários