João Semedo: BE diz que perda é de todos os que partilharam o seu ímpar percurso

O BE transmitiu hoje “as mais sentidas condolências” pela morte do seu antigo coordenador João Semedo, considerando que a perda “é de todos os que partilharam o seu ímpar e diversificado percurso, que com ele lutaram, aprenderam e conviveram”.

“O Bloco de Esquerda informa que morreu esta manhã João Semedo, com 67 anos, médico e militante político, e transmite à sua mulher, ao seu filho e a toda a família as mais sentidas condolências”, lê-se numa nota enviada à agência Lusa.

O partido considera que “a perda de João Semedo é de todos os que partilharam o seu ímpar e diversificado percurso, que com ele lutaram, aprenderam e conviveram, na política e na vida”.

“Como é de todos o orgulho e a alegria de o terem tido a seu lado”, enaltece.

O BE sublinha ainda que “a doença prolongada e as crescentes limitações da voz não impediram” João Semedo de “manter a atividade política”.

“Nos últimos meses da sua vida, João Semedo publicou um livro com António Arnaut para uma nova Lei de Bases da Saúde e deu força e conteúdo ao Movimento ‘Direito a morrer com dignidade'”, recordam.

O ex-coodenador do Bloco de Esquerda João Semedo morreu hoje, aos 67 anos, depois de anos de uma batalha contra o cancro, revelou aquela estrutra partidária, através de uma nota de pesar publicada no site ‘Esquerda Net’.

Fonte do BE adiantou à agência Lusa que o partido decidiu cancelar a agenda para hoje, dia para o qual estava previsto que a coordenadora bloquista, Catarina Martins.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários