JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.

O banco JP Morgan foi abordado pela dona da WeWork para liderar um empréstimo obrigacionista entre cinco mil milhões a seis mil milhões de dólares , colocando-se assim à frente de outro processo, o da entrada em bolsa da WeWork, noticia a “Agência Reuters”.

A WeWork, que atua no desenvolvimento e promoção de escritórios partilhados, ainda não contratou oficialmente nenhum banco para liderar a operação de venda pública (da sigla em inglês, IPO). Mas de acordo com fontes próximas da empresa, a instituição financeira que montar a emissão de dívida poderá ter um papel na operação de dispersão de capital em bolsa.

As mesmas fontes revelaram ainda que outros bancos poderão ter um papel ativo na IPO, como o Goldman Sachs.

Se o JP Morgan for o banco escolhido para a IPO da WeWork, que deverá acontecer até ao final do ano, o banco norte-americano participaria assim em duas das três maiores operações de dispersão de capital em bolsa em 2019.

O JP Morgan já assessorou a IPO da Lyft, a principal rival da Uber nos Estados Unidos.

Fundada em 2010, e alicerçada no sucesso dos escritórios partilhados, a WeWork foi recentemente avaliada em 47 mil milhões de dólares, sendo uma das empresas de capital privado mais valiosas do mundo.

Ler mais

Relacionadas

SoftBank contrata primeira mulher para gerir fundo de investimentos de 100 mil milhões

Kirthiga Reddy, antiga executiva do Facebook India, foi contratada pela japonesa SoftBank para integrar na equipa de Vising Fund, um dos maiores fundos de investimentos tecnológicos do mundo. É a primeira mulher a integrar esta equipa.

Um terço do departamento de marketing. Uber despede 400 funcionários

A empresa originária de São Francisco, nos EUA confirmou a informação que já tinha sido avançada posteriormente pelo “New York Times” e explicou que esta decisão faz parte do processo de “reestruturação” no qual a Uber está imersa desde o IPO de maio.

Uber vs Lyft – a próxima grande tecnológica?

O futuro sendo cada vez mais tecnológico, reserva consigo elevadas expetativas e a prova disso é a afirmação que as tecnológicas têm vindo a conquistar.
Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

Sete anos após a sua criação, a Lone Star poderá querer vender Novo Banco em 2021

Na conferência de imprensa de apresentação de resultados relativos a 2018, António Ramalho, CEO do Novo Banco admitiu que a instituição financeira poderá obter resultados positivos em 2021. Em Portugal, o Millennium bcp e o Santander Totta poderão entrar na corrida que deverá ter sempre a autorização do Banco Central Europeu.
Comentários