JPP quer centros de noite para dar resposta à população de idosos

A reabilitação de escolas que estão fechadas ou em risco de fechar é a solução apresentada pelo JPP para instalar estes centros de noite que teriam como objectivo providenciar mais segurança e conforto à população de idosos.

O JPP propõe a instalação de centros de noite, principalmente em zonas rurais e isolados, como forma providenciar respostas sociais à população de idosos.

“O Governo deverá apostar nos centros de noite, principalmente em zonas rurais e isoladas, onde as pessoas durante o dia, estejam na sua casa mas, à noite, possam ir até um centro de noite, onde se sintam seguras e confortáveis”, defendeu Paulo Alves, deputado do JPP, durante uma visita a Santana, propondo a “reabilitação de escolas que estejam fechadas, ou em vias de fechar” como solução para instalar esses centros de noite.

Para Paulo Alves as respostas dadas à população idosa “têm de se adequar às necessidades” e que os governos devem ter “uma atitude proactiva e concertada” no encontrar de soluções e que em algumas situações é necessária a institucionalização pelo que, a “construção de lares de idosos é sim uma necessidade”.

Esta posição, explicou Paulo Alves, é contrária à da secretária regional da Inclusão e dos Assuntos Sociais, Rita Andrade, que referiu que “a resposta dada pelo apoio domiciliário respondia às necessidades”.

O deputado do JPP diz que por culpa da República a rede de cuidados continuados ainda “não está a funcionar”e tem a expectativa de que com “a transferência dos jogos sociais, esta situação seja resolvida o mais rapidamente possível”.

Santana, alertou Paulo Alves, é um dos municípios da Madeira com um dos maiores índice de envelhecimento, e apelou a que exista “uma articulação entre agentes da comunidade”, independentemente da cor política, de maneira a reforçar ou iniciar “uma intervenção comunitária, articulada” que promova o envelhecimento activo.

Ler mais
Recomendadas

PremiumO Vinho Madeira que passa de geração em geração desde 1850

O maior desafio do Vinho Madeira é aumentar a produção das castas nobres Sercial, Verdelho, Boal, Malvasia e Terrantez, e diminuir a produção da Tinta Negra, “que já é excessiva”, diz Pereira de Oliveira.

PremiumDireito ainda está “fora de questão” mas “poderia reter” estudantes na região

Para já, não está em cima da mesa a criação de uma licenciatura em Direito na UMa, mas o reitor José Carmo diz que o curso tem procura local.

PremiumO valor do patrocínio num evento como o Rali Vinho Madeira

O Rali Vinho Madeira é um evento que ao longo dos anos tem atraído milhares às estradas madeirenses. Mas nem só de público vive esta prova de desporto motorizado. O patrocínio é outras das vertentes que sustenta e ajuda a levar cada edição a bom porto. Entre os patrocinadores estão marcas e empresas como a MEO e o BPI.
Comentários