Justiça acelera invetigações no setor público antes das férias judiciais

Há seis operações judiciais desencadeadas no último mês a organismos públicos. Todas estão relacionadas com alegadas práticas de corrupção e abuso de poder.

Desde o dia 5 de junho que já surgiram seis buscas do Ministério Público e Polícia Judiciária (PJ) sobre organismos do Estado e que tornaram o atual início de verão num dos mais intensos em termos judiciais, noticia o “Jornal de Notícias” esta quarta-feira.

As seis operações judiciais estão relacionadas com alegadas práticas de corrupção e abuso de poder. A última operação desencadeada envolve a ADSE e o presidente demissionário Carlos Liberato Baptista.

De acordo com o “Jornal de Notícias”, esta “catadupa” de operações judiciais desencadeadas no espaço de um mês está relacionada com o aproximar das férias judiciais, que se iniciam no dia 15 de julho e terminam a 2 de setembro. O objetivo será o de evitar adiamentos nas diligências devido ao verão.

A operação “Tutti Frutti”, a investigação na AICEP do Porto, no Turismo do Porto, a operação “Lex” e a investigação à gestão da Câmara Municipal de Oeiras sobre um projeto imobiliário, são os principais casos judiciais espoletados desde junho.

Relacionadas

Polícia Judiciária fez buscas às instalações da ADSE em Lisboa

A Unidade Nacional contra a Corrupção (UNCC) da Polícia Judiciária realizou na segunda-feira buscas às instalações da ADSE em Lisboa, confirmou à Lusa fonte da PJ.

PJ faz buscas ao PSD, ao PS e à Câmara de Lisboa

Estão em causa suspeitas de corrupção em contratação de pessoal e adjudicação direta de serviços a empresas ligadas ou controladas por dirigentes políticos, noticiam a SIC e a Sábado.

Polícia Judiciária suspeita de corrupção no Benfica por alegados incentivos a jogadores em jogos com o Porto

Pela oitava vez em três anos o clube da Luz foi alvo de buscas pela Polícia Judiciária (PJ), que investiga também o pagamento a clubes adversários sob a forma de negociação de passes jogadores, com uma suposta opção de “recompra”.
Recomendadas

Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

Estado não cumpre pagamentos de indemnizações por falta de dotação orçamental

Estado devia ter pago 18 milhões de euros em indemnizações mas só pagou pouco mais de sete mil euros, no final de 2018, por decisões na Justiça. Relatório revelou que dotação orçamental é insuficiente para cumprir com os pagamentos das indemnizações.

Tribunais afastaram 64 políticos e gestores em oito anos

Em 2012 e 2013 verificou-se o maior número de perdas de mandato (seis) e destituições (cinco), escreve o JN.
Comentários