Justiça investiga atual e anterior presidentes da Câmara de Castelo Branco

O atual presidente, Luís Correia, é acusado de ter firmado contratos pelo município com empresas em que ele próprio tem interesses diretos ou indiretos, arriscando-se a perder o mandato e a ficar impedido de se recandidatar.

O Ministério Público está a investigar o atual presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco, Luís Correia, devido a indícios de violação de diversas normas legais relacionadas com contratos públicos. Luís Correia é acusado de ter firmado contratos pelo município com empresas em que ele próprio tem interesses diretos ou indiretos, arriscando-se a perder o mandato, noticia o jornal “Público”.

O processo, de natureza criminal, que corre no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Coimbra, incide sobretudo nos contratos celebrados entre o município e uma empresa pertencente ao sogro e a um tio da mulher. Em causa estão incompatibilidades e impedimentos dos titulares de cargos políticos. O inquérito instaurado encontra-se em segredo de justiça.

Sob investigação está também o anterior presidente, Joaquim Morão, por suspeitas relacionadas com a gestão da Santa Casa da Misericórdia de Idanha-a-Nova, da qual é provedor há cerca de 20 anos. O caso diz respeito à construção de uma unidade de cuidados continuados, no valor de 2,4 milhões de euros. A obra foi adjudicada em julho de 2010 à Constrope, da qual Carlos Santos, amigo e alegado testa de ferro de José Sócrates, foi um dos donos durante muitos anos.

Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários