Lisboa em linha com Europa recupera após tombo de terça-feira

O PSI 20 soma 0,06%, para 5.372,34 pontos, em linha com as principais congéneres europeias.

A bolsa portuguesa apresenta esta quarta-feira uma performance positiva, após a sessão de terça-feira ter sido marcada por perdas generalizadas, concretamente, pelo tombo de 8,11% do BCP. A instabilidade política italiana, principalmente, fez os mercados europeus caírem e, por contágio, também Wall Street sofreu consequências, com o presidente dos Estados Unidos a pronunciar-se sobre a relação comercial com a China, provocando perdas generalizadas.

Donald Trump afirmou que levará adiante a imposição de tarifas de 25% sobre produtos chineses, avaliados em 50 mil milhões de dólares (cerca de 43 mil milhões de euros). A lista de produtos a serem alvo destas tarifas será divulgada no dia 15 de junho.

Hoje, o principal índice bolsista nacional, PSI 20, está na linha de água, com um ganho de 0,06%, para 5.372,34 pontos, seguindo as principais congéneres europeias.

Em Lisboa, a sessão é marcada pelo BCP, que hoje tem a sua assembleia geral, onde Miguel Maya deverá ser nomeado presidente executivo do banco. Os títulos do banco, ainda liderado por Nuno Amado, caem 1,30%, para 0,23 euros, na sequência da turbulência provocada pela situação política italiana.

“O mercado nacional deverá manter-se bastante permeável à situação política em Itália e à perceção dos investidores globais em relação à possibilidade de contágio a outros países” refere o BPI, no seu “Diário da Bolsa”. Uma permeabilidade visivel, sobretudo, no setor bancário.

Mesmo com a desvalorização do BCP, um dos pesos pesados do PSI 20, as valorizações da Pharol (2,85%, para 0,25 euros), EDP (0,39%, para 3,36 euros), Ibersol (0,90%, para 11,20 euros) e das papeleiras Altri (0,96%, para 7,39 euros) e Navigator (0,57%, para 5,25 euros) aguentam o índice.

Entre as principais congéneres europeias a tendência é de ganhos, depois de uma sessão de elevadas perdas na terça-feira, devido aos receios em torno de Itália. O cenário de eleições antecipadas levou os investidores a desconfiar. Hoje, o alemão DAX ganha 0,38%, o britânico FTSE 100 soma 0,06%, o espanhol IBEX 35 cresce 0,43%, o italiano FTSE MIB valoriza 1,13% e o holandês AEX soma 0,66%. Já o francês CAC 40 perde 0,52%.

“Abertura amena nas praças europeias, com as yields da dívida soberana a 10 anos da periferia na Zona Euro a aliviam e dão suporte”, explica o analista de mercados do Millenium Investment Banking, Ramiro Loureiro.

No mercado petrolífero, o Bretn negoceia a 75,34 dólares por barril, com perdas de 0,20%. Já o crude WTI soma 0,03%, para 66,75 dólares.

No mercado cambial, o euro valoriza 0,49% face ao dólar, para 1,15 dólares.


 [Dados das 9h36]

Ler mais

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários