Lorde: O regresso melodramático do pop

Segundo álbum da cantora neozelandesa está já a tornar-se um sucesso. Só na rede social Twitter, o primeiro single gerou dois mil milhões de impressões nas primeiras 24 horas.

Ella Yelich-O’Connor, mais conhecida por Lorde, está de volta com o seu muito aguardado segundo álbum de estúdio, “Melodrama”, apresentado pelo single “Green Light”, produzido por Lorde, Jack Antonoff e Frank Dukes. “Green Light” tornou-se rapidamente um fenómeno em todo o mundo, tornando-se um dos temas mais partilhados no Facebook e Instagram. Só na rede social Twitter gerou 2 mil milhões de impressões nas primeiras 24 horas em que esteve disponível. Em apenas uma semana, o tema ultrapassou os 12 milhões de ‘streams’ e o vídeo até ao momento já soma mais de 67 milhões de visualizações no YouTube. “Liability” (produzido por Lorde e Jack Antonoff) foi o segundo tema já revelado de “Melodrama”, álbum que resulta de um intenso trabalho criativo entre Lorde e o norte-americano Jack Antonoff (que também trabalhou com artistas como Taylor Swift e é também conhecido por ser vocalista dos Bleachers,). “Melodrama” sucede-se a “Pure Heroine”, álbum de estreia de Lorde, que vendeu mais de quatro milhões de discos em todo o mundo, e à banda sonora do filme “The Hunger Games: A Revolta – Parte 1”, lançado em 2016 e que teve curadoria da artista neozelandesa.

Lorde atingiu a fama em 2013 com o single “Royals”. O ano de 2014 foi passado maioritariamente em concertos por todo o mundo. No ano seguinte a cantora decidiu voltar para a sua terra natal, na Nova Zelândia, onde manteve-se low profile.

A artista já anunciou que irá fazer uma tour para apresentar este novo álbum. No entanto, até ao final deste ano não está previsto que Lorde passe por Portugal. Reino Unido, Noruega, e Alemanha são alguns dos países que vão receber a cantora de 20 anos. O mais perto que Lorde estará de Portugal será em Barcelona, no dia 9 de outubro, quando atuar na sala de espetáculos Saint Jordi Club.

Recomendadas

Carocha: Afinal, o carro do povo não morreu

Ao fim de oito décadas, o veículo que atravessou diversos momentos históricos chegou ao fim de uma longa estrada. O Carocha foi um símbolo do renascimento económico da Alemanha do pós-guerra e foi um sucesso de vendas nos Estados Unidos. Em Portugal, o espírito continua bem vivo: além de um hino, são vários os clubes e os colecionadores que guardam relgiosamente um modelo que pode valer mais de 100 mil euros.

Ângelo Girão: o comendador que mete medo aos avançados

Meses depois de ser campeão europeu de clubes pelo Sporting, realizou o sonho de tornar Portugal campeão mundial. O fim do jejum que durava desde 2003 deveu-se em grande parte ao guarda-redes de 29 anos que provou, uma vez mais, que não existe ninguém melhor a evitar que os sticks levem a bola para dentro da baliza. Os argentinos, espanhóis e italianos podem confirmá-lo.

Assembleia da República: Maioria absoluta masculina, acima dos 50 e recém-chegada

A XIII Legislatura, que está quase a terminar, não fica só marcada pela “geringonça”. Ao longo dos últimos quatro anos os portugueses foram representados por um Parlamento tão envelhecido quanto inexperiente no desempenho de funções. Aqui está a radiografia dos nossos deputados.
Comentários