Lucro da EDP Renováveis sobe 4 % para 139 milhões no 1º semestre

O EBITDA – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização – caiu 5% para 686 milhões de euros, anunciou a empresa em comunicado divulgado no site da CMVM esta quarta-feira. Adiantou, no entanto, que sem efeitos cambiais esta rubrica subiu 1%.

O lucro líquido da EDP Renováveis avançou 4%, em termos homólogos, para 139 milhões de euros no primeiro semestre de 2018, beneficiando do aumento de produção e de um ganho não-recorrente com uma venda de um ativo, anunciou a empresa.

“Em resultado da maior produção, menor preço realizado (‐11% face ao período homólogo,  efeitos cambiais e outros (-52 milhões de euros) e o termo esperado de production tax credits (após 10 anos) em algumas estruturas de tax equity (‐34 milhões de euros), as receitas totalizaram 923 milhões de euros (‐7%)”, explicou a eólica, em comunicado divulgado no site da CMVM.

A subsidiária da EDP para as energias limpas já tinha anunciado a 16 de julho que produziu 15,5 Terawatts-hora (TWh) de energia renovável nos primeiros seis meses do ano, traduzindo-se num aumento de 6% face ao mesmo período do ano passado. O aumento da produção beneficiou das adições de capacidade ao longo dos últimos 12 meses (+0,6 GW) assim como um recurso eólico estável versus o período homólogo.

A Renováveis acrescentou esta quarta-feira que o preço médio de venda totalizou 53,5 euros/Megawatt hora, menos 11% face ao mesmo período do ano passado, devido a impactos cambiaia e menores preços na Europa (‐6%, maioritariamente na Polónia e Roménia) e América do Norte (‐3%).

O EBITDA – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização – caiu 5% para 686 milhões de euros, anunciou a empresa em comunicado divulgado no site da CMVM esta quarta-feira. Adiantou, no entanto que sem efeitos cambiais esta rubrica subiu 1%.

“Os resultados financeiros líquidos caíram para 133 milhões de euros (menos 15 milhões face ao ano passado, beneficiando do ganho de 15 milhões de euros da venda de uma participação num projecto offshore do Reino Unido, juntamente com custos de parcerias institucionais mais baixos e juros financeiros líquidos menores.

No final de junho, a dívida líquida da empresa liderada por João Manso Neto totalizava 3.216 milhões de euros, mais 410 milhões de euros face ao final de 2017, refletindo por um lado, a caixa gerada pelos activos e, por outro lado, os investimentos no período, a liquidação de um swap cruzado de taxa de juro cruzada para proteger o investimento em dólares nos EUA contra as diferenças cambiais.

[Atualizada às 7h46 com mais informação]

Ler mais

Relacionadas

EDP Renováveis ganha dois novos contratos para a venda de energia nos EUA

“O projeto eólico está localizado no estado de Ohio e espera-se que inicie as operações em 2019”, explicou a eólica lidera por João Manso, em comunicado.

Chuva na primavera deverá dar flor nos lucros trimestrais do grupo EDP

Sendo já conhecidos os dados operacionais do segundo trimestre, os investidores já terão incorporado que os lucros vão subir. No entanto, poderá haver volatilidade nas ações se surgirem novidades sobre a OPA da China Three Gorges.

EDP aumenta produção de electricidade em 7% no primeiro semestre

O maior crescimento na produção de energia eólica deu-se no Brasil (+34% num ano), na produção hídrica (a partir da água) a maior subida deu-se nas operações ibéricas (Portugal e Espanha), onde se registou uma subida face ao semestre homólogo do ano anterior de 85%.
Recomendadas

Indústria Alimentar: o caminho da digitalização

No contexto da Indústria Alimentar, as organizações para se adaptarem necessitam de investir, e, atualmente, as tecnologias digitais chave passam pela: Robótica, Serviços móveis, Tecnologia Cloud, Internet-of-Things, Cibersegurança, Big Data e Analítica avançada, Impressão 3D, Inteligência Artificial e Social Media. Os consumidores, também eles cada vez mais nativos digitais, ditam tendências e as indústrias adaptam-se, quer […]

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.

Procrastinação ou a coragem de mudar

É preciso saber e decidir sem vacilar. Caso contrário, faremos parte das fotos guardadas no baú. Para mais tarde recordar.
Comentários