Macron quer França a “pensar e agir como uma start-up”

Emmanuel Macron quer que a França seja um país que pense e aja como uma start-up, relata a Bloomberg. Para tal pretende alterar as leis laborais e iniciar rapidamente uma transformação tecnológica e social.

Em declarações prestadas à margem da conferência “Viva Technology”, em Paris, o presidente francês, Emmanuel Macron, revelou a sua visão para a França à Reuters. Macron declarou a sua vontade de revolucionar a França, com o intuito de que o país passe a “pensar e agir como uma start-up”.

Defendendo que o Estado deve ser um facilitador, e não um constrangimento, da inovação e do empreendedorismo, Macron afirmou a sua intenção de reformular as leis laborais francesas para dar mais poder de decisão às empresas, ao mesmo tempo que diminuirá a sua carga fiscal.

A Reuters adianta ainda que Macron terá dito que pretende limitar o imposto sobre a riqueza, que passará a cobrir apenas as propriedades, com o intuito de ajudar as empresas. Para o mesmo fim, o presidente francês quer criar um único escalão de 30% no imposto sobre os rendimentos das empresas.

“Quando um empreendedor tem demasiado sucesso é estigmatizado e, regra geral, é taxado. Isso acabou!”, disse Macron para a plateia de fundadores de start-ups, investidores e estudantes, gerando aplausos. E acrescentou: “Por toda a parte, homens e mulheres querem inovar. A França está a tornar-se uma nação de start-ups.”

O setor das start-ups francês tem vindo a ganhar tração, com o crescimento dos investimentos por parte de grupos de investimento de risco e com as expectativas da chegada de um governo “amigo das empresas”, uma vez que o LREM, o partido liderado por Macron, lidera as sondagens das legislativas francesas do próximo domingo por uma larga margem. Exemplo deste crescimento é a intenção de o Bpifrance, o banco de investimento estatal, aumentar o seu fundo de investimento para mil milhões de euros, segundo responsáveis do banco disseram à Reuters.

Macron, que durante a sua campanha prometeu um investimento de 10 mil milhões de euros na inovação do país, afirmou ainda que a França precisa de passar por uma transformação tecnológica, mas também social, em todos os setores de negócio. “Iniciaremos esta transformação sem demora”, prometeu Macron, acrescentando: “Vocês não esperam, porque os vossos concorrentes também não esperam”.

Ler mais
Relacionadas

Emmanuel Macron prepara vitória para o próximo domingo

Franceses regressam a alguma indiferença face à política. Como era de esperar, a Frente Nacional não consegue manter a ‘chama’ das presidenciais.
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários