Mais de 85% da produção de eletricidade tem algum tipo de subsídio

A presidente da ERSE adiantou hoje que mais de 85% da produção de eletricidade em Portugal “tem algum tipo de subsídio”, considerando haver “uma alocação ineficiente de recursos” com uma “sobrecompensação paga pelos consumidores”.

Cristina Portugal está esta tarde a ser ouvida na comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas da energia, depois da audição, durante mais de cinco horas, do seu antecessor à frente do regulador da energia, Vítor Santos.

A presidente da ERSE trouxe algumas das conclusões preliminares de um estudo que a está a ser feito pelo regulador – e que espera “libertar muito em breve” – “para determinar os custos nivelados de produção de energia elétrica por segmentos representativos de produtores (tecnologias, regime remuneratório) e/ou a sua rentabilidade (TIR), considerando os apoios aos produtores”.

“Os resultados preliminares são que os atuais instrumentos (mercado e administrativos) discriminam algumas tecnologias, discriminam entre oferta e a procura, sobrecompensam algumas tecnologias e subcompensam outras tecnologias. Há uma alocação ineficiente de recursos com uma sobrecompensação paga pelos consumidores”, adiantou.

Mais à frente, durante a inquirição pelo deputado do PS Hugo Costa, Cristina Portugal foi questionada sobre se considera que “existe um mercado liberalizado na produção de eletricidade” em Portugal.

“Neste estudo, os resultados a que chegamos é que mais de 85% da produção tem algum tipo de subsídio, de incentivo. É muito difícil dizer que já chegamos verdadeiramente a um mercado liberalizado ao nível da produção de eletricidade”, declarou.

No período de perguntas do deputado do BE Jorge Costa, a reguladora da energia detalhou que este “estudo está a ser feito por iniciativa da ERSE, porque considerou que era oportuno verificar de que forma está a ser trabalhada a produção”.

“Não queria prometer um prazo [para as conclusões do estudo], mas seguramente durante este verão e antes da ‘rentrée'”, garantiu.

Cristina Portugal foi nomeada em maio do ano passado pelo Governo, em Conselho de Ministros, presidente do Conselho de Administração do regulador da energia, substituindo Vítor Santos.

A jurista Cristina Portugal chegou a vogal da ERSE em maio de 2016, com larga experiência profissional na área da defesa dos consumidores na associação de defesa do consumidor Deco e no conselho tarifário da ERSE.

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários