Malparado: venda de carteiras de crédito em Portugal deverá atingir novo máximo este ano

Nova versão do estudo “Investing in NPLs in Portugal: The time is now”, da empresa de consultoria e avaliação de ativos Prime Yield, foi apresentado esta segunda-feira e mostra que venda de carteiras de Non-Performing Loans no país deverá acelerar 20% em 2018.

A venda de carteiras de crédito malparado em Portugal deverá acelerar, pelo menos, 20% e atingir um novo máximo este ano, antevê a nova versão do estudo “Investing in NPLs in Portugal: The time is now” da Prime Yield. Os especialistas envolvidos no estudo da empresa de consultoria e avaliação de ativos, que analisa o mercado de Non-Performing Loans (NPLs) no país, calculam que, no ano passado, em tenham sido transacionados portfolios NPL num valor de mais de 2 biliões de euros.

A análise mostra ainda os dados do Banco de Portugal que dão conta de que, no passado mês de junho, o stock de NPLs em Portugal se fixou em 42,2 biliões de euros, após ter caído 16,5% face aos 50,5 biliões de euros no mesmo mês de 2016. Quanto ao rácio de NPL, apesar de ter caído de 17,9% para 15,5% nesse período, Portugal só é ultrapassado pela Grécia e pelo Chipre na União Europeia. O país manteve-se como o terceiro mais elevado da comunidade única, que tem uma média de 4,6%, bastante abaixo dos valores nacionais.

“Foram dados passos muito relevantes na redução do stock de NPLs no sistema bancário português no último ano, o que é um fator reconhecido pelas autoridades europeias. O pipeline de carteiras de NPLs para transacionar continua a ser bastante expressivo dada esta pressão [que Portugal tem], e foram várias as instituições bancárias que já anunciaram a sua intenção de reforçar a venda”, garante Nelson Rêgo, CEO da Prime Yield.

O principal responsável da consultora salienta que tanto essa vontade, como a melhoria das condições económicas do país, certamente irão “aguçar ainda mais o apetite dos investidores por este tipo de carteiras”, sobretudo os créditos que tenham imóveis como garantia.

Relacionadas

Dagong espera que o rácio de malparado dos bancos portugueses baixe para 13% em 2018

Segundo a Dagong Global, elevados write-offs (imparidade de um crédito a 100%) e vendas de carteiras de NPL são esperadas para 2018. “Espera-se que alguns dos grandes bancos efetuem maiores vendas de carteiras e baixem os NPL. Esperamos que os NPL alcancem um nível mais próximo de 13% sobre o total do crédito, durante o ano de 2018”, ​​ainda assim Portugal “ficará bem acima da atual média da UE que é de 4,2%”.

Malparado: venda de carteiras de crédito em Portugal deve acelerar este ano

Em junho de 2017, o stock de crédito malparado era de 42,2 mil milhões de euros, menos 16,5% face aos 50,5 mil milhões de euros registados um ano antes.
Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários