Marcelo Rebelo de Sousa defende Portugal livre da sujeição

No discurso do Dia de Portugal e de Camões, o presidente da República, defendeu hoje durante as comemorações na cidade do Porto, um país “independente” e “livre da sujeição”.

Cristina Bernardo

“Independente do atraso, da ignorância, da pobreza, da injustiça, da dívida da sujeição. Livre da prepotência, da demagogia, do pensamento único, da xenofobia e do racismo”, afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa referiu também o facto de se celebrar o dia de Camões, sendo assim “dia da nossa língua, da nossa educação, da nossa ciência, inovação, conhecimento, como que a dizer-nos que só seremos portadores de independência, da liberdade e de universalismo se juntarmos à cultura ancestral a antecipação do futuro”.

O presidente dedicou também no seu discurso uma palavra especial às comunidades portuguesas que se encontram espalhadas pelo mundo. Comunidades “desse outro Portugal que nos faz universais mas que devem estar mais presentes: nas nossas leis, nas nossas decisões coletivas, na nossa economia, mas sobretudo na nossa alma”.

Segundo a Lusa, o chefe de Estado salientou que Portugal acompanha “muito de perto” as comunidades “com uma palavra de incondicional solidariedade, em especial para as que mais sofrem ou desesperam”, bem como se abre “àquelas e aqueles” que chegam ao país “de tantas paragens sonhando ficar” e ter uma vida melhor do que aquela que “lhes é negada nas suas terras natais”.

Marcelo defendeu também a necessidade de combater a pobreza, superar a injustiça, promover o conhecimento e abraçar a pátria.

Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários