Maria José Morgado: “O país perdeu um bocado o sentido ser de esquerda ou ser de direita”

Numa entrevista ao jornal “Público”, a procuradora recorda os seus tempos de revolução e confessa ter ficado contente pela extrema-esquerda não ter conseguido fazer a revolução: “éramos doidos e só fazíamos disparates”.

A procuradora distrital da comarca de Lisboa, Maria José Morgado, acredita que o espetro político se alterou nos últimos anos e se foi perdendo a noção do que significa ser de esquerda ou ser de direita. Numa entrevista intimista ao jornal “Público”, a procuradora recorda os seus tempos de revolução e confessa ter ficado contente pela extrema-esquerda não ter conseguido fazer a revolução: “éramos doidos e só fazíamos disparates”.

“No país, perdeu um bocado o sentido ser de esquerda ou ser de direita”, afirma Maria José Morgado. “Acho que se calhar tem mais sentido ser honesto, defender interesses de transparência e de integridade que às vezes não têm a ver com ser de esquerda ou ser de direita. Há gente de esquerda que não tem princípios de integridade e transparência e há gente de direita que tem”.

Maria José Morgado recorda aos seus tempos de aliança à extrema-esquerda como “uma loucura”. “Era uma jovem radicalizada. Eu estava na faculdade [de Direito de Lisboa] e o movimento estudantil naquele tempo era muito ativo. Pensei, ou estou do lado do fascismo ou do lado da Associação de Estudantes, que era onde estavam os antifascistas”, conta.

A procuradora distrital da comarca de Lisboa considera que, na altura, era evidente situar-se politicamente e socialmente. “Estou do lado dos bons ou dos maus? Os fascistas eram os maus, a ditadura, a opressão, a guerra colonial. Os outros eram os que queriam libertar o povo e fazer a revolução. Eu queria a revolução. Para mim não havia dúvidas, era um mundo a preto e branco”, afirma.

“Seria mais difícil tomar posição se fosse agora. E corria os riscos que fossem necessários para ir para o lado da revolução. Era a minha luta, ia travá-la. Ainda bem que não fizemos a revolução, porque éramos completamente doidos e só faríamos disparates”, acrescenta.

Recomendadas

Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

Estado não cumpre pagamentos de indemnizações por falta de dotação orçamental

Estado devia ter pago 18 milhões de euros em indemnizações mas só pagou pouco mais de sete mil euros, no final de 2018, por decisões na Justiça. Relatório revelou que dotação orçamental é insuficiente para cumprir com os pagamentos das indemnizações.

Tribunais afastaram 64 políticos e gestores em oito anos

Em 2012 e 2013 verificou-se o maior número de perdas de mandato (seis) e destituições (cinco), escreve o JN.
Comentários