Mário Soares regista “progressivo agravamento”

O novo boletim clínico do ex-Presidente acaba de ser apresentado pelo porta-voz do Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa.

Esta quinta-feira, às 12 horas, o porta-voz do Hospital da Cruz Vermelha, José Barata, esclareceu que o estado de saúde de Mário Soares registou nas últimas horas um progressivo agravamento e que “mantém-se em coma profundo”. “Continua sem necessidade de suporte de vida”, sublinhou.

“Há um sinal de degradação das funções orgânicas, o estado mantém-se muito crítico e o prognóstico reservado, embora ainda não se tenha verificado qualquer falência ao nível de qualquer órgão vital”, referiu José Barata. “A equipa clínica multidisciplinar continua a acompanhar de forma constante o estado de saúde do Presidente Mário Soares”, acrescentou.

Aos meios de comunicação social, o porta-voz da unidade hospital realçou que o antigo Presidente da República continua “em coma profundo”. O responsável irá apresentar novo boletim clínico aos jornalistas “quando assim se justificar”.

No dia 13 de dezembro, seis dias após completar 92 anos, Mário Soares tinha sido internado no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa. As notícias nas horas seguintes informavam que o antigo chefe de Estado tinha perdido consciência, estava em “estado crítico e com prognóstico reservado”.

O antigo Presidente da República foi transferido para a unidade de internamento em regime reservado, no dia 23 de dezembro. Mais tarde, saiu dos cuidados intensivos, mas uma súbita alteração no estado de saúde de Mário Soares fez com que tivesse de voltar a ser acompanhado nesta unidade.

Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários