Marques Mendes antevê o regresso do “pântano” político após 2019

“O Governo minoritário do PS é a solução mais provável. Um governo minoritário à Guterres”, explicou o comentador. Um governo minoritário sem apoio parlamentar é instável, precário e transitório, defendeu.

“Hoje com a geringonça, vive-se uma situação de estabilidade. Mas,  depois das eleições de 2019, infelizmente os portugueses vão ter que se habituar a isso, vamos voltar a viver um ambiente de instabilidade. Não está para vir o Diabo, mas será provavelmente o regresso do pântano”, anteviu hoje Marques Mendes no seu comentário político na SIC.

O comentador sustentou a previsão com o facto de estar afastada cada vez mais a possibilidade de o PS ganhar com maioria absoluta. “As sondagens não ajudam, e com o conflito com os professores e a crise na Saúde, dificilmente António Costa conseguirá uma maioria absoluta”, explicou.

Repetir a geringonça não parece possível na óptica de Marques Mendes, porque o Bloco de Esquerda estaria disponível, mas o PCP não quer repetir a geringonça. Os comunistas vão cumprir este compromisso até ao fim, e foi uma situação que “deu jeito ao PCP nos dois primeiros anos”, mas a  partir de agora, tem mais a perder que a ganhar, disse Marques Mendes.

O cenário Governo PS/BE, apesar de o Bloco querer muito ir para o Governo, não parece provável ao comentador político porque António Costa não vê grande vantagem numa aliança governativa com o Bloco. O Bloco de Esquerda não traz a paz social, quem a traz é o PCP, dá-lhe votos de deputados; mas não o ajuda nas reformas que quer fazer num futuro, uma vez que o Bloco não lhe dá coerência nas políticas.

Marques Mendes conclui que a solução que está mais em cima da mesa é a de bloco central com o PSD. É a solução que está na cabeça de Rui Rio e A António Costa.

Eles vivem, já hoje, num bloco central informal, “em espírito de bloco central”. Não se criticam um ao outro, não se atacam um ao outro, telefonam-se um ao outro. Rui Rio tem até uma certa admiração por António Costa.
O problema são os respectivos partidos. O PS não quer e o PSD também não quer, sobretudo porque vê em António Costa o inimigo que lhe retirou o poder.

Por isso o Governo minoritário do PS é a solução mais provável. “Um governo minoritário à Guterres”, explicou o comentador. Um governo minoritário sem apoio parlamentar é instável, precário e transitório, uma vez que pode durar um ou dois anos, considerou Marques Mendes.

O que vai ainda tornar mais difícil a tarefa para o Presidente da República, conclui.

 

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários