Marques Mendes: “tem que haver uma investigação” à tragédia

O comentador não quis cumprir a agenda habitual, tendo falado apenas da tragédia de Pedrógão Grande. Consequências políticas, só mais tarde, frisou.

O comentador da SIC, Marques Mendes, considera que, “há perguntas a que as pessoas querem respostas” sobre “se foi feito tudo para minimizar os danos” – apesar de achar que as autoridades envolvidas estiveram bem na resposta à tragédia de Pedrógão Grande. “É preciso restaurar ao vigilantes da floresta”, cujo desaparecimento “foi um crime”.

Numa intervenção que teve apenas a tragédia como tema, Marques Mendes aproveitou para salientar a solidariedade internacional – tendo querido destacar o papel de Espanha, solidária não só em meios para o terreno mas também do ponto de vista financeiro.

O comentador não se quis alongar no que diz respeito às questões políticas que inevitavelmente vão estar presentes de agora em diante – tendo assim secundado todos os agentes políticos nacionais, que se escusaram durante todo o dia em avançar com outras palavras que não fossem exclusivamente a prestação de solidariedade para com todos os envolvidos.

Mesmo assim, Marques Mendes colocou algumas questões, nomeadamente sobre se se devia ou não ter fechado a agora tristemente conhecida por ‘estrada da morte’ antes de toda a imensa tragédia ali ter ocorrido. Lembrou ainda que os fogos continuam a ser um problema do verão português, quando devia acontecer precisamente o contrário: “é no inverno” que o problema a deve ser levantado. E lembrou também algo que é recorrente: a necessidade “de se limparem as florestas”.

O comentário semanal não teve qualquer outro tema, o que serve também para clarificar que Marques Mendes preferiu assumir uma espécie de luto, juntando-se assim à onda de solidariedade que passa pelo país inteiro.

Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários