Médicos enganam o Estado para que pagasse pensões de invalidez

“Jornal de Notícias” informa, na edição desta quarta-feira, que os pacientes pagavam entre 1.000 e 3.000 euros aos clínicos para que estes fabricassem relatórios médicos com doenças que não correspondiam à realidade.

Três médicos estão a ser julgados sob acusação de terem defraudado o Estado através de relatórios clínicos falsos com o objetivo de levar a segurança social a pagar pensões de invalidez, informa o “Jornal de Notícias”, na sua edição desta quarta-feira, 30 de maio.

Segundo o jornal, a investigação feita pelo Ministério Público concluiu que os pacientes pagavam entre 1.000 e 3.000 euros aos clínicos para que estes fabricassem relatórios médicos com doenças que não correspondiam à realidade. Os documentos eram então apresentados nas comissões de recurso, requeridas depois de nas normais juntas médicas ser recusada a situação de invalidez.

Os relatórios terão sido produzidos por um médico de Barcelos, que é arguido no processo, e depois confirmados pelos restantes clínicos.

São referidas 12 situações em que se verificou a utilização deste esquema.

O “Jornal de Notícias” refere que o Estado terá sido lesado em 39 mil euros, uma verba que o principal arguido terá de pagar, se for condenado.

Recomendadas

Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

Estado não cumpre pagamentos de indemnizações por falta de dotação orçamental

Estado devia ter pago 18 milhões de euros em indemnizações mas só pagou pouco mais de sete mil euros, no final de 2018, por decisões na Justiça. Relatório revelou que dotação orçamental é insuficiente para cumprir com os pagamentos das indemnizações.

Tribunais afastaram 64 políticos e gestores em oito anos

Em 2012 e 2013 verificou-se o maior número de perdas de mandato (seis) e destituições (cinco), escreve o JN.
Comentários