Merkel visita Portugal com crise italiana como pano de fundo

A chanceler alemã inicia uma visita de dois dias a Portugal este quarta-feira. A agenda oficial da reunião com António Costa na quinta-feira menciona o tema do futuro da Europa, uma discussão que certamente incluirá a incerteza política em Itália.

O itinerário de Angela Merkel em Portugal começa esta quarta-feira com uma visita ao novo Centro de Investigação e Desenvolvimento da empresa Bosch, em Braga, e prossegue para o Instituto de Investigação e Inovação em Saúde, I3s no Porto e um debate sobre o projeto europeu com estudantes de doutoramento da Universidade do Porto.

Em termos políticos, no entanto, o pico da agenda ocorre na quinta-feira, com uma reunião com o Presidente da República, seguida de um encontro com o primeiro ministro.  Segundo a agenda oficial, nesse encontro os dois chefes de governo, além de “reforçar as relações políticas e económicas bilaterais, deverão prosseguir o trabalho estreito que vêm desenvolvendo em temas centrais para o futuro da Europa, em particular o roteiro para completar a União Económica e Monetária, a gestão das migrações e o futuro Quadro Financeiro Plurianual”.

No primeiro tema da agenda, o contexto deverá ser positivo. “Sobre o ponto de vista das relações bilaterais entre a Alemanha e Portugal, tudo corre no fundamental pelo melhor”, referiu António Costa Pinto, analista político e investigador do Instituto das Ciências Sociais. “De facto a visita de Angela Merkel a Portugal realiza-se numa altura em que a chanceler e as instituições da União Europeia só podem estar contentes com Portugal”.

O politólogo realça, no entanto, que “isso também quer dizer fundamentalmente que os fatores de crise numa economia europeia só podem vir evidentemente de outros países, neste caso de Itália e eventualmente até de Espanha, caso exista uma crise governamental”.

O impasse político em Itália teve novos episódios nos últimos dias, com o presidente Sergio Mattarella a rejeitar a nomeação de um ministro da Economia eurocético, deitando por terra a hipótese de um governo de coligação do Movimento 5 Estrelas e a Liga. Mattarella nomeou um governo tecnocrata até à convocação de novas eleições.

“Itália sempre constituiu um laboratório político europeu e antecipou muitos dos fenómenos políticos, nomeadamente no que toca  ao desenvolvimento de partidos políticos etc. O que está agora em causa é que, pela primeira vez, nós temos em Itália partidos declaradamente eurocéticos e a atual crise italiana e o veto do presidente italiano em relação ao ministro da Economia representa exatamente isso, a ameaça de por em causa o fundamental, justamente as instituições europeias”, explicou Costa Pinto.

Acrescentou que isso já aconteceu “em pequenos países, na Áustria, na Polónia, na Hungria, mas evidentemente o peso da economia italiana é bastante grande e por isso tem um impacto mais significativo”.

Os mercados financeiros mostraram nervosismo sobre o impasse esta terça-feira, com os investidores a castigarem a dívida pública italiana no mercado secundário, as ações da bolsa de Milão e em particular os títulos da banca. A turbulência contagiou as praças bolsistas europeias e ainda as dividas soberanas da periferia da zona euro, incluindo a portuguesa.

“A questão fundamental aqui é que num espaço unificado, mas com falta de elementos no que toca a unificação fiscal, no que toca a unificação monetária, evidentemente que qualquer crise tem efeitos imediatos no setor da periferia da Europa e Portugal é uma das economias que sofre imediatamente”, frisou Costa Pinto.

“Continuamos vulneráveis e vamos continuar vulneráveis, não existem revoluções. Mesmo que os indicadores sejam bons em relação a Portugal, a dívida ainda é elevada e portanto os mercados podem desconfiar imediatamente”, concluiu.

 

Ler mais

Relacionadas

Itália reaviva traumas da crise e dificulta percurso do BCE

A subida dos juros das dívidas dos países do sul da Europa, devido à instabilidade política italiana, está a criar nervosismo entre investidores e analistas. A questão ganha especial importância dada a expetativa que o BCE anunciasse o fim dos estímulos monetários dentro de duas semanas.

Ainda há espaço para bolsas caírem mesmo que risco de Itália estabilize

Os juros das dívidas soberanas disparam e as bolsas caem devido à instabilidade política na Europa. Os analistas recomendam cautela e sublinham que, mesmo que as ‘yields’ estabilizem, as ações poderão manter tendência negativa.

Respostas Rápidas: porque é que a turbulência em Itália está a abalar os mercados?

O impasse político em Itália prolonga-se e fez soar os alarmes nos mercados. A ‘yield’ da dívida soberana do país dispara e contagia as pares da periferia da zona euro, incluindo a portuguesa. As bolsas tombam e em Lisboa o BCP é o ativo mais pressionado.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários