Mini híbrido chega em julho

O primeiro Mini com tecnologia híbrida já está disponível para encomenda. É o Cooper S E Countryman ALL4 e as primeiras entregas estão previstas para o mês de julho.

Cabe ao Mini Cooper S E Countryman ALL4 ser o primeiro modelo híbrido da marca britânica. Já disponível para encomenda em território nacional, por preços que se iniciam nos 39.350€, utiliza tecnologia plug-in, o que quer dizer que pode ser ligado à corrente para recarregar as baterias de iões de lítio. A carga completa demora 2h15m numa Wallbox e 3h15m numa tomada doméstica. Depois de totalmente carregada, a bateria permite a este Countryman circular em modo 100% elétrico durante 42 km, a velocidades de até 125 km/h, e num dos três modos de condução disponíveis em modo eDrive.

Além disso, o sistema de tração integral ALL4 passa a prescindir de um diferencial para ser feito através dos dois motores. O dianteiro, o 1.5 de 136 cv a gasolina, move o eixo dianteiro, ao passo que o motor elétrico de 88 cv anima o eixo traseiro. Juntos conseguem uma potência combinada de 224 cv, com um consumo anunciado de 2,1 l/100 km e emissões de CO2 de 49 g/km.

Com as primeiras entregas agendadas para o mês de julho de 2017, o primeiro híbrido da marca bávara oferece de série o sistema de navegação Mini com ecrã tátil de 6,5”, uma caixa automática Steptronic de seis velocidades e faróis Full LED adaptativos. Além de cinco anos ou 80.000 km de manutenção, a bateria deste Mini Coutryman possui uma garantia de seis anos ou 100 mil km.

Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários