Ministério da Justiça vai reforçar segurança do Citius

Novas soluções tecnológicas visam “acrescentar segurança ao sistema” informático Citius, revela ministério liderado por Francisca Van Dunem.

Cristina Bernardo

O Ministério da Justiça (MJ) vai implementar, até 2019, novas soluções tecnológicas que permitam reforçar a segurança do Citius, a plataforma informática que serve os tribunais e que recentemente revelou fragilidades com utilização fraudulenta e usurpação de identidade, uma situação que foi detetada no caso “e-toupeira”, em que um técnico do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça (IGFEJ) usava passwords de colegas para entrar nos computadores e aceder ao Citius.

A medida foi revelada ao “Jornal Económico” por fonte oficial do ministério liderado por Francisca Van Dunem, quando questionada sobre as vulnerabilidades deste sistema e como poderão ser reduzidas até entrar em funcionamento a nova plataforma do Ministério Público, prevista para 2020. O novo Sistema de Investigação Criminal do Ministério Público (SIC-MP) promete travar as sistemáticas violações do segredo de justiça que acontecem em Portugal.

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

“e-Toupeira”: PJ suspeita de mais duas toupeiras do Benfica no sistema de justiça

O IGFEJ informou quinta-feira que tem cooperado com o Ministério Público e a Polícia Judiciária na investigação do caso “e-Toupeira” e sublinhou que o acesso ao sistema informático Citius é restrito e limitado.

Ministra da Justiça refuta críticas e garante segurança de plataforma informática

“Medidas de segurança permitem a identificação de potenciais situações de utilização fraudulenta e de usurpação de identidade”, afirma-se num comunicado emitido hoje pelo gabinete da ministra Francisca Van Dunen
Recomendadas

Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

Estado não cumpre pagamentos de indemnizações por falta de dotação orçamental

Estado devia ter pago 18 milhões de euros em indemnizações mas só pagou pouco mais de sete mil euros, no final de 2018, por decisões na Justiça. Relatório revelou que dotação orçamental é insuficiente para cumprir com os pagamentos das indemnizações.

Tribunais afastaram 64 políticos e gestores em oito anos

Em 2012 e 2013 verificou-se o maior número de perdas de mandato (seis) e destituições (cinco), escreve o JN.
Comentários