Ministra da Justiça assegura que não existem cadeias sobrelotadas em Portugal

“Eu posso garantir que o serviço será prestado nas condições necessárias. O relatório a que se está a referir está ultrapassado pelos dados que temos atualmente”, afirmou aos jornalistas Francisca Van Dunem.

Cristina Bernardo

A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, afirmou este sábado que “não existem cadeias sobrelotadas em Portugal”, ressalvando que os dados do relatório do Conselho da Europa, que apontam nesse sentido, ”estão desatualizados”.

Esta semana um relatório do Conselho da Europa, com dados de 2016, concluía que Portugal se encontra entre os 12 países europeus onde há sobrelotação nas prisões, encontrando-se no nono lugar da lista.

“Eu posso garantir que o serviço será prestado nas condições necessárias. O relatório a que se está a referir está ultrapassado pelos dados que temos atualmente”, afirmou aos jornalistas Francisca Van Dunem.

A governante, que participou ao final desta manhã numa ação de limpeza de matas junto ao Centro Prisional de Alcoentre, concelho de Azambuja, sublinhou que “tirando alguns casos de prisões por dias livres, atualmente” já não existe “sobrelotação do sistema prisional português”.

No entanto, a governante admitiu a necessidade de mais guardas prisionais, ressalvando que “aqueles que existem são suficientes para assegurar o mínimo, que é a segurança dos estabelecimentos prisionais”.

Recomendadas

Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

Estado não cumpre pagamentos de indemnizações por falta de dotação orçamental

Estado devia ter pago 18 milhões de euros em indemnizações mas só pagou pouco mais de sete mil euros, no final de 2018, por decisões na Justiça. Relatório revelou que dotação orçamental é insuficiente para cumprir com os pagamentos das indemnizações.

Tribunais afastaram 64 políticos e gestores em oito anos

Em 2012 e 2013 verificou-se o maior número de perdas de mandato (seis) e destituições (cinco), escreve o JN.
Comentários