Motoristas respondem a Marcelo: “Antes de chegar a estes meios, foram tentados outros”

Pedro Pardal Henriques, vice-presidente do SNMMP, disse ainda que os motoristas não concordaram com a providência cautelar apresentada por cinco empresas de transporte.

António Pedro Santos / Lusa

Pedro Pardal Henriques, vice-presidente do SNMMP, comentou ao final da tarde desta terça-feira as palavras de Marcelo Rebelo de Sousa para dizer que, os motoristas, “antes de chegarem a estes meios, foram tentados outros mas esbarraram na prepotência e arrogância da ANTRAM”.

Marcelo Rebelo de Sousa falou esta terça-feira sobre a greve dos motoristas de combustíveis agendada para a próxima segunda-feira, dia 12 de agosto. Numa altura em que continua a não existir um entendimento entre os motoristas e o Governo, o Presidente da República, avisa que “os meios começam a comprometer os fins”, e que “uma coisa é uma greve que é vista e dirigida contra os patrões, ou contra os patrões e o Estado” e que outra “é uma greve contra os patrões, o Estado e muitos portugueses”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa em declarações à imprensa.

“Todas as greves impõem sacrifícios como nós sabemos, maiores ou menores. Qual é a melhor maneira para realizar certos objetivos? É conseguir melhorar as condições de laborais, nas cargas e descargas ou em qualquer outra área? Deve ser continuar a negociação, promover a negociação, nomeadamente com outras unidades sindicais que estão a negociar e obter algumas vantagens, ou deve ser ir para a greve?”, questionou o Presidente da República.

Providência cautelar é “manifestação de força”

Sobre a apresentação da providência cautelar por parte de cinco transportadoras, Pedro Pardal Henriques manifestou não concordar com a mesma, uma vez que “esta ação visa evitar um direito constitucional e é apenas uma manifestação de força”.

Cinco transportadoras vão dar entrada esta quarta-feira com uma providência cautelar a pedir a ilegalidade do pré-aviso de greve dos motoristas, disse o advogado Carlos Barroso à Lusa, do escritório que representa essas empresas.

O advogado não quis identificar as empresas que metem a ação, referindo apenas que são de diferentes dimensões, sendo três empresas de matérias perigosas (combustíveis, explosivos e gás e outras matérias perigosas) e duas empresas de carga geral (uma que atua sobretudo no setor da distribuição e outra em contentores e atividade portuária).

 

Ler mais
Relacionadas

Marcelo diz que revisão da lei da greve “não está na ordem do dia” e “não é uma prioridade”

“Não vi nenhum partido propor a alteração da lei da greve e, portanto, terminou a legislatura, não está na ordem do dia, ninguém propôs essa revisão, não sei se algum partido incluirá no programa eleitoral [para as legislativas de 06 de outubro] a revisão da lei da greve”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

“Os meios começam a comprometer os fins”. Portugueses podem ficar contra os motoristas, avisa Marcelo

O Presidente da República abordou a greve dos motoristas de 12 de agosto, referindo que “é sempre uma pena quando havendo boas razões a defender, essas razões são perdidas ou comprometidas por causa do excesso de meios utilizados”.

Greve de motoristas: Cinco empresas põem providência cautelar a pedir ilegalidade da greve

O advogado não quis identificar as empresas que metem a ação, referindo apenas que são de diferentes dimensões, sendo três empresas de matérias perigosas (combustíveis, explosivos e gás e outras matérias perigosas) e duas empresas de carga geral (uma que atua sobretudo no setor da distribuição e outra em contentores e atividade portuária).
Recomendadas

Especialistas defendem aprovação da requisição civil pelo Governo antes da greve dos motoristas

Por o setor dos combustíveis ser transversal a muitos setores económicos, especialista em legislação laboral defendem que o Governo pode avançar para a requisição civil antes da greve, tal como aconteceu na TAP em 2014.

Como sobreviver à greve dos motoristas de combustível? Siga estas 5 dicas

Consulte o manual de sobrevivência elaborado pela Deco para a greve dos motoristas dos combustíveis.

Greve dos camionistas: AIP apela aos “bens superiores” da Constituição para travar a paralisação

A associação presidida por José Eduardo Carvalho alerta o Governo para que os serviços mínimos para minorar os efeitos desta paralisação abranjam as indústrias transformadoras que fiquem condicionadas pela falta de abastecimento de combustíveis como o gás natural, gás propano liquefeito (GPL), azoto líquido e oxigénio.
Comentários