NASA lança missão de ‘caça’ planetas com portugueses a ‘bordo’

A agência espacial norte-americana NASA confirmou esta quarta-feira o lançamento em 16 de abril de um telescópio que irá procurar novos planetas fora do Sistema Solar em todo o céu, missão na qual participam cientistas portugueses.

Em comunicado hoje divulgado, após uma conferência de imprensa, a NASA refere que a missão TESS (Transiting Exoplanet Survey Satellite, Satélite de Levantamento de Exoplanetas em Trânsito) “está em preparação final na Florida para ser lançada em 16 de abril”.

Num comunicado anterior, de 15 de fevereiro, a agência espacial norte-americana anunciara que o lançamento do satélite artificial não seria antes de 16 de abril.

Na missão participa o investigador Tiago Campante, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, que esteve envolvido no planeamento científico, nomeadamente na seleção de estrelas-alvo a observar, como contou à Lusa.

Com o telescópio em funcionamento, e do qual são esperados os primeiros dados no fim do ano ou em janeiro, o astrofísico vai estudar em particular a vibração (oscilações no brilho) das estrelas a partir da decomposição da sua luz.

Estas oscilações permitem caracterizar detalhadamente as estrelas, como a sua massa, o diâmetro e a idade, explicou o investigador, contemplado este ano com uma bolsa europeia Marie Curie no valor de 160 mil euros.

Tiago Campante esclareceu que o telescópio vai fazer “a deteção, o levantamento” de exoplanetas (planetas fora do Sistema Solar) “por todo o céu”.

Planetas que possam, inclusive, estar na chamada ‘zona habitável’ da estrela (planetas nem demasiado perto nem demasiado longe da estrela-mãe e que, por isso, poderão ter à superfície água líquida, elemento essencial para a vida tal como se conhece).

O astrofísico adiantou que a validação dos novos planetas extrassolares detetados será feita em terra com outros telescópios por outros investigadores, inclusive portugueses, do núcleo do Porto do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, especialista neste tipo de planetas.

De acordo com a NASA, a missão, com uma duração inicial de dois anos, vai concentrar-se em planetas que orbitam estrelas próximas da Terra, a menos de 300 anos-luz, e 30 a 100 vezes mais brilhantes do que as estrelas-alvo de outro ‘caçador’ de exoplanetas, o telescópio espacial Kepler, também da NASA, que rastreou apenas uma determinada zona do céu.

O telescópio TESS será lançado a bordo do foguetão Falcon 9, da empresa de transportes espaciais privada SpaceX, da base de Cabo Canaveral, na Florida, Estados Unidos.

Durante o primeiro ano da missão será observado o hemisfério sul, enquanto no segundo ano será o hemisfério norte.

Ler mais
Recomendadas

Carocha: Afinal, o carro do povo não morreu

Ao fim de oito décadas, o veículo que atravessou diversos momentos históricos chegou ao fim de uma longa estrada. O Carocha foi um símbolo do renascimento económico da Alemanha do pós-guerra e foi um sucesso de vendas nos Estados Unidos. Em Portugal, o espírito continua bem vivo: além de um hino, são vários os clubes e os colecionadores que guardam relgiosamente um modelo que pode valer mais de 100 mil euros.

Ângelo Girão: o comendador que mete medo aos avançados

Meses depois de ser campeão europeu de clubes pelo Sporting, realizou o sonho de tornar Portugal campeão mundial. O fim do jejum que durava desde 2003 deveu-se em grande parte ao guarda-redes de 29 anos que provou, uma vez mais, que não existe ninguém melhor a evitar que os sticks levem a bola para dentro da baliza. Os argentinos, espanhóis e italianos podem confirmá-lo.

Assembleia da República: Maioria absoluta masculina, acima dos 50 e recém-chegada

A XIII Legislatura, que está quase a terminar, não fica só marcada pela “geringonça”. Ao longo dos últimos quatro anos os portugueses foram representados por um Parlamento tão envelhecido quanto inexperiente no desempenho de funções. Aqui está a radiografia dos nossos deputados.
Comentários