Negócio de 59 mil milhões de euros. Bruxelas autoriza aquisição da Monsanto pela Bayer

A Comissão Europeia anunciou que a Bayer pode adquirir a Monsanto, desde que a farmacêutica cumpra certas condições para preservar o setor. Uma das condições impostas é a venda parcial do negócio de herbicidas e sementes à BASF por 5,9 mil milhões de euros.

A Comissão Europeia deu “luz verde” à compra da norte-americana agro-química Monsanto pela farmacêutica Bayer, segundo uma nota emitida esta quarta-feira.

A proposta feita pela farmacêutica alemã contempla 59 mil milhões de euros, sendo que da capitalização no mercado atual de ambas as empresas poderá surgir um grupo avaliado em 120 mil milhões de euros.

A aprovação de Bruxelas é, contudo, condicionada. A Bayer terá que deixar cair uma série de investimentos feitos no setor agro-químico. Um dos primeiros desinvestimentos contempla a venda parcial do negócio de herbicidas e sementes à BASF por 5,9 mil milhões de euros.

Mesmo com a autorização da Comissão Europeia, a Bayer ainda espera a apreciação da direção-geral para a competitividade de Bruxelas. Uma decisão que só deverá ser tornada pública a 16 de Abril.

Margrethe Vestager, Comissária Europeia para a Concorrência, numa conferência de imprensa, justificou a decisão pela “garantia de continuar a exisitir concorrência efectiva e inovação nos mercados de sementes, pesticidas e agricultura digital após a fusão [da Monsanto e a Bayer]”.

Com esta decisão, a jurisdição da União Europeia junta-se às da China e do Brasil que aprovaram a aquisição da Monsanto pela Bayer. Os Estados Unidos e a Rússia ainda estão a analisar a operação.

A fusão entre a Bayer e a Monsanto foi anunciada em Setembro de 2016 e, desde então, que a operação é criticada por grupos ambientais e agricultores.

Ler mais

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários