Nissan aproveita baterias usadas para iluminar cidade em Fukushima

A cidade de Namie, atingida pelo tsunami de 2011, terá as ruas iluminadas pela Nissan. As baterias usadas dos carros elétricos Leaf serão reaproveitadas.

Mark Blinch / Reuters

A Nissan vai reaproveitar baterias usadas dos carros elétricos Leaf, os mais vendidos no mundo, para iluminar a cidade de Namie, na região de Fukushima, Japão, umas das mais atingidas pelo tsunami de 2011 e que ainda passa por um processo de reconstrução.

A iniciativa faz parte do projeto chamado “Reborn Light” (reacender a luz, em português), em que a fabricante, em parceria com a empresa 4R Energy Corporation, mostrará o potencial de reuso das baterias em diversos locais do mundo.

Deitar fora estes equipamentos é considerado uma questão polémica no que respeita aos carros elétricos, que são tidos como menos agressivos ao meio ambiente, mas que requerem baterias grandes e materiais que exigem cuidado, como o lítio.

Segundo a Nissan, mesmo que as baterias desses carros já não sirvam mais para esse propósito, elas podem continuar a ser utilizadas para servir outros propósitos e necessidades humanas.

Relacionadas

Galp duplica rede de postos de carregamento elétrico

Ao todo são 18 carregadores, que vão ser instalados nas principais vias rodoviárias de ligação a Espanha e no centro da Europa, e nas principais zonas urbanas.

‘Elétrico’ mais barato que o carro a gasolina? Sim, e já em 2025

Para que esta realidade seja possível daqui a sete anos, é necessário que o preço das baterias de lítio continue a baixar ao ritmo atual.
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários