NOS lidera ganhos na bolsa nacional. Incerteza continua a assolar Europa

A meio da manhã, o principal índice português, PSI 20, soma 0,52%, para 5.367,30 pontos, alavancado nos ganhos da NOS e da EDP.

Reuters/Lucas Jackson

A bolsa nacional negoceia esta quinta-feira, 8 de março, com tendência negativa, numa altura em que os índices europeus transacionam mistos. A meio da manhã, o principal índice português, PSI 20, soma 0,52%, para 5.367,30 pontos, alavancado nos ganhos da NOS e da EDP.

A NOS é a cotada que mais sobe, ao valorizar 2,51% para 5,060 euros. Paulo Rosa, trader da Gobulling – Banco Carregosa, explica que “a cotada tem vindo a subir nas últimas sessões, em contraciclo com as restantes cotadas da bolsa nacional, antecipando bons resultados anuais”. A empresa apresenta resultados à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Os analistas do Caixa BI prevêem que a NOS tenha registado lucros de 119,8 milhões de euros em 2017, o que corresponde a um aumento de 32,5% face ao ano anterior.

A EDP está também em alta e sobe 1,24% para 2,868 euros. Paulo Rosa indica que a empresa de energia está a ser beneficiada pela contratação com 17 bancos uma linha de crédito no montante de 2.240 milhões de euros, pelo prazo de cinco anos. A nova linha de crédito surge em substituição de uma outra de 2.000 milhões de euros, que vencia em fevereiro de 2020, e pode ser extensível por dois anos.

Ainda no setor da energia, a EDP Renováveis soma 0,35% para 7,210 euros, a Galp Energia sobe 0,44% para 14,695 euros e a REN avança 0,16% para 2,472 euros.

Os CTT ganham 0,32%, para 3,164 euros. A empresa liderada por Francisco Lacerda apresentou uma queda histórica à CMVM esta quarta-feira, após o fecho do mercado. O lucro tombou 56,1% em termos homólogos, para 27,3 milhões de euros, no ano passado, com um aumento ligeiro nos rendimentos a não ser suficiente para compensar subidas nos gastos operacionais e na provisões.

Paulo Rosa explica que a cotada “já tinha vindo a perder nas últimas sessões”. “Só desde o início da semana, a cotada desvalorizou cerca de 10%. Como a empresa já vinha a descontar nas últimas sessões, o impacto destes resultados foi menor”, explica.

O trader da Gobulling acrescenta que a queda do lucro líquido da empresa esteve relacionada com os gastos de reestruturação da empresa (rescisões, pagamento de indemnizações, despedimentos, …). “Os investidores vêm isso como prova de que estão a ser feitas mudanças na empresa, como vista à sua reorganização”, indica, dizendo que ainda assim os resultados do correio foram melhores do que o esperado.

Em destaque estão também os ganhos da Navigator (0,31%), Altri (0,98%) e Semapa (0,32%). A impulsionar estas subidas, que se têm registado ao longo das últimas sessões, está o aumento do preço da pasta de papel europeia (BHKP). O trader da Gobulling nota que na terça-feira passada a pasta de papel estava a negociar nos 1.007 dólares por tonelada. Já esta terça-feira, o índice semanal chegou aos 1.027 dólares por tonelada de pasta de papel, o que corresponde a um aumento de 20 dólares.

Em terreno positivo estão ainda a Sonae (0,17%), a Sonae Capital (0,21%) e a Corticeira Amorim (0,50%).

Entre as cotadas que mais perdem destaca-se a Pharol. A ex-Portugal Telecom perde 6,32% para 0,198 euros, depois de a justiça ter afastado vários acionistas com participações maioritárias da administração da operadora de telecomunicações brasileira Oi. Paulo Rosa dá conta de que Luís Palha da Silva e Pedro Morais Leitão, da Pharol, foram uns dos administradores afastados. Nelson Tanure, da Bratel S.À.R.L., Société Mondiale Fundo de Investimento em Ações (subsidiária da Pharol no Brasil), viu ser-lhe suspenso o direito de voto.

O BCP “continua a ser pressionado desde o início da semana pelas eleições italianas e pela pressão a que se viu sujeita a banca italiana”, afirma Paulo Rosa. O banco liderado por Nuno Amado cai 0,45% para 0,289 euros, mas o trader da Gobulling lembra que a entrada do banco no Stoxx 600, marcada para dia 19 de março, “pode trazer um alívio a esta queda”.

As restantes praças europeias negoceiam mistas. O índice alemão DAX perde 0,36%, o espanhol IBEX 35 desvaloriza 0,07% e o italiano FTSE MIB recua 0,04%. Em sentido contrário, o francês CAC 40 sobe 0,17%, o britânico FTSE 100 avança 0,06% e o holandês AEX aprecia 1,12%.

“Os investidores aguardam com expectativa a reunião do Banco Central Europeu (BCE), onde se espera que as taxas de juro se mantenha inalteradas”, afirma Paulo Rosa. “Depois disso, o discurso do presidente do BCE, Mario Draghi, vai condicionar o desempenho do mercado, especialmente no que toca à moeda”, acrescenta.

No mercado cambial, o euro desvaloriza 0,22%, para 1,238 dólares e a libra recua 0,19%, para 1,387 dólares. Já no mercado petrolífero, o Brent soma 0,11% para os 64,41 dólares por barril e o crude WTI avança 0,13% para os 61,23 dólares.

Ler mais

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários