Nos próximos anos as ‘yields’ devem continuar em queda

Para 2017, espera-se que o PIB registe globalmente um aumento para 3,3%, face aos 3,1% do ano anterior. Esta recuperação moderada é essencialmente justificada com fim da recessão em países como o Brasil e Rússia. É também de referir a retoma da atividade económica nos EUA. De acordo com o estudo divulgado pela consultora Worx, […]

Para 2017, espera-se que o PIB registe globalmente um aumento para 3,3%, face aos 3,1% do ano anterior. Esta recuperação moderada é essencialmente justificada com fim da recessão em países como o Brasil e Rússia. É também de referir a retoma da atividade económica nos EUA.

De acordo com o estudo divulgado pela consultora Worx, o mercado imobiliário será guiado, ao longo do ano, por fatores económicos chave como a inflação. A influência desta incide nas matérias-primas, em que está previsto um aumento na ordem dos 2% nos EUA, mais de 3% no Reino Unido e cerca de 1% na zona euro. Esta é uma boa notícia para o mercado do arrendamento, no sentido em que há margem para continuar a crescer nos próximos anos.

Segundo o relatório, neste cenário, liderado pela procura contínua de ativos seguros e por expectativas moderadas de crescimento das taxas de juro a 10 anos, é de esperar que as yields no mercado de escritórios continuem em queda, especialmente na Europa continental. Neste sentido, é expectável que o mercado de investimento continue em crescimento.

Yield em Lisboa e Porto atingiu 5,5% no 1º trimestre

A par desta tendência, encontra-se o mercado nacional de investimento, com especial foco em Lisboa e Porto. No primeiro trimestre de 2017, a prime yield no segmento de escritórios atingiu os 5,5%, alimentando um desempenho positivo.

“Este segmento apresenta-se muito atrativo para investidores devido aos bons resultados alcançados pelo mercado ocupacional e continuará a sofrer pressão pela escassez de ativos de qualidade em localizações consolidadas”, revela o estudo da consultora.

Para além do setor de escritórios, o setor da reabilitação urbana e hotelaria continuarão a exercer um enorme peso na atração de investimento estrangeiro.

Também a consultora JLL divulgou os resultados dos primeiros meses do ano e revelou que o volume de investimento no 1º trimestre de 2017 terá rondado os 15 mil milhões de euros, em linha com o mesmo período do ano passado. A procura por escritórios deverá manter-se forte ao longo do ano, apesar da falta de oferta.

Num contexto de baixas taxas de juro, crescimento lento e yields reduzidas, adquirir escritórios na Europa vai exigir maior criatividade por parte dos investidores, refere o relatório.

Peter Hensby, Head of Offices Capital Markets, EMEA, da JLL, salienta que “o imobiliário continua a atrair um volume significativo de capital devido à sua performance sólida face a classes de ativos alternativas, num contexto de baixas taxas de juro, crescimento lento e yields reduzidas. Mas a concorrência é forte e os investidores não podem limitar-se a ficar à espera. Têm de ser mais criativos nos seus movimentos de acesso ao mercado, quer isso implique compreender a transformação urbana através das infraestruturas, quer olhar para a atividade de promoção no continente europeu, quer considerar atividades de fusões e aquisições ou desinvestimentos não estratégicos”.

Ler mais
Recomendadas

Três Dolce Vita colocados à venda por 15 milhões de euros

Em todos os casos, caso não hajam ofertas superiores ao valor mínimo, serão admitidas propostas mais baixas.

Savills fica responsável pela gestão do edifício Atlas III

Atlas III, em Miraflores, é o mais recente empreendimento sob a gestão da Savills.

Dona da Comporta estuda “projeto estratégico” a preços acessíveis no Parque das Nações

A Vanguard Properties quer construir três prédios no total, com o valor do investimento a rondar os 30 a 35 milhões de euros.
Comentários