Notáveis com Passos Coelho em jantar para descartar Rui Rio

Vários notáveis e  militantes do PPD/PSD,a par de muitos simpatizantes, estão a organizar um jantar de “desagravo” a Passos Coelho. A iniciativa, que terá lugar no próximo dia 7 de novembro (sexta-feira), no Armazém 23, em Lisboa, é também um ensejo para tirar “gás” a um possível avanço de Rui Rio para a liderança do […]

Vários notáveis e  militantes do PPD/PSD,a par de muitos simpatizantes, estão a organizar um jantar de “desagravo” a Passos Coelho.
A iniciativa, que terá lugar no próximo dia 7 de novembro (sexta-feira), no Armazém 23, em Lisboa, é também um ensejo para tirar “gás” a um possível avanço de Rui Rio para a liderança do PPD/PSD, segundo disseram ao OJE fontes ligadas ao processo.
Para já muitos simpatizantes estão a ser contatados pelo telefone ou e-mail, sendo informados, entre outros pormenores, do preço do jantar no conhecido espaço do Cais da Matinha, que pode albergar até 3 mil pessoas. Cada conviva pagará 5 euros.
Segundo o OJE apurou, estão já confirmados os nomes de Matos Rosa, secretário-geral do PPD/PSD, Miguel Frasquilho (presidente da AICEP e ex-secretário de Estado de Durão Barroso) e Ribau Esteves (presidente da Câmara de Aveiro).
Também Fernando Seara, ex-presidente da Câmara de Sintra, e Fernando Costa, ex-presidente da Câmara das Caldas da Rainha e um dos históricos dos Congressos do PPD/PSD, já deram o ‘sim’ para participar no jantar, bem como elementos ligados à Associação Nacional de Municípios, como Rui Mendes Ferreira, ou deputados, como Afonso Oliveira.
Da lista, segundo as mesmas fontes, constam ainda familiares de Francisco Sá carneiro, tais como Carlos e Tiago Sá Carneiro, este último neto do fundador do Partido.
Dois dos pavilhões do Cais da Matinha estão já alugados para o evento que, segundo as fontes do ‘Oje’, já terá tido o aval de Pedro Passos Coelho.
OJE
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.