‘Nova Expo’ em Pedrouços com eventos e sem torres, garante Governo

Ministério de Ana Paula Vitorino nega que o ‘Ocean Campus’, com um investimento previsto de 300 milhões de euros até 2030, vá comprometer a realização de eventos como o ‘NOS Alive’ ou o ‘Comic Con’.

O Ministério do Mar garante que o projeto do ‘Ocean Campus’ para a zona ribeirinha do Tejo em Pedrouços, já conhecida como ‘a Nova Expo’, não compromete a realização de eventos no espaço onde têm vindo a ser realizados nos últimos anos o festival de música ‘Nos Alive’ ou a ‘Comic Con’, um evento dedicado a banda desenhada e filmes de animação.

“Não é verdade que o projeto ‘Ocean Campus’ comprometa a realização de eventos no espaço onde se vem realizando o ‘NOS Alive’ ou a ‘Comic Con’. Antes pelo contrário, no projeto do ‘Ocean Campus’ fica assegurado um Parque Urbano/Parque de Eventos, onde poderão ser realizados estes e quaisquer outros eventos, mas que deixará de ser um espaço reservado unicamente para eventos e de utilização única, sete dias por ano”, assegura um comunicado do Ministério do Mar, divulgado há minutos.

De acordo com esse documento, “com a reconversão prevista para este Parque Urbano, nos restantes dias do ano, quando não existam eventos, este será um espaço público, para usufruto da população”.

Recorde-se que o projeto ‘Ocean Campus’ foi apresentado publicamente há duas semanas, a 23 de julho, estando previsto um investimento global de cerca de 300 milhões de euros ate 2030, dos quais 73% serão assegurados por fontes privadas, 25% por investimento público; e os restantes 2% por origens públicas.

Estão previstas duas marinas (de Pedrouços e do Jamor), um hotel, espaço para instalação de empresas, centros de investigação e áreas de serviços e de restauração, implantação da ‘Blue Business School’, criação do ‘Ocean Lab’, residências temporárias para investigadores e cientistas ligados ao setor do mar e da economia azul.

O comunicado do Ministério do Mar reage a uma notícia publicada hoje, dia 5 de agosto, no jornal ‘i’, segundo a qual a Câmara Municipal de Oeiras havia colocado a hipótese de travar judicialmente o avanço do ‘Ocean Campus’ por, alegadamente, esse projeto poder colidir com os referidos eventos ‘NOS Alive’ ou ‘Comic Con.

“A Câmara Municipal de Oeiras ponderou embargar a obra de construção do edifício do Centro Náutico de Algés, por o mesmo ir nascer onde atualmente se encontram instalados os sanitários de apoio aos eventos NOS Alive e Comic Con. Dá-se a circunstância de o licenciamento deste projeto não ter decorrido, na perspetiva da câmara, nos termos definidos por lei”, avançou fonte oficial daquela autarquia ao jornal citado.

A mesma fonte revelou que têm decorrido “reuniões de concertação entre a Câmara Municipal de Oeiras, o Porto de Lisboa e o Ministério do Mar no sentido de encontrar uma solução compatível com a realização dos grandes eventos, situação que esperamos ver resolvida dentro de dias. Acreditamos que a área atual dos festivais esteja assegurada”.

Em resposta, o ministério liderado por Ana Paula Vitorino garante que “também não é verdade que a principal obra deste projeto ‘Ocean Campus’ seja a construção da Marina do Jamor”.

A futura Marina do Jamor é apenas um dos vários projetos que fazem parte do ‘Ocean Campus’, não sendo sequer a única marina dentro do projeto. De resto, na apresentação pública do ‘Ocean Campus’, realizada há duas semanas, foi lançado o concurso
público para a concessão de uma outra marina já existente: a Marina de Pedrouços”, adianta o referido comunicado.

No entender do Ministério do Mar é “igualmente falsa é a informação noticiada neste artigo do Jornal ‘i’ ao referir um futuro “megaempreendimento com várias torres
de habitação”, conforme planta do projeto tornada pública na sua apresentação e disponível para consulta (em http://www.plataformadomar.pt/artigos/nasce-o-oceancampus-projeto-de-300-milh%C3%B5es-de-euros-requalificazona-ribeirinha-de-pedrou%C3%A7os-%C3%A0-cruzquebrada/)”.

“Como se confirma, não está projetada qualquer torre nem qualquer edifício de habitação permanente”, assegura o Ministério do Mar, acrescentando que “também não é verdade que esteja prevista a construção de vários hotéis, como erradamente se pode ler neste artigo; como se pode constatar pela planta do projeto ‘Ocean Campus’ em
anexo, o projeto contempla apenas a possibilidade de construção de um único hotel, junto à Marina do Jamor”.

O Ministério do Mar conclui que, “conforme tornado público, o ‘Ocean Campus’ é um espaço de convergência de ciência, inovação e conhecimento na área do Mar e respetiva ligação à economia azul, com baixa densidade e permeabilidade urbanística”.

“Conforme tornado público, este é um projeto desenvolvido em concertação com as Câmaras Municipais de Lisboa e Oeiras e em interação com todas as entidades públicas e privadas relevantes. Neste âmbito, mal seria que não fosse possível conciliar as necessidades dos eventos habitualmente aqui realizados com o propósito maior do projeto ‘Ocean Campus'”, conclui o comunicado em causa.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Quanto vai ser investido e quando está pronta: Conheça os planos da nova Expo na zona ocidental de Lisboa

Mais de três quartos do valor de investimento de 300 milhões de euros previsto para o ‘Ocean Campus’, projeto de reconversão da zona ribeirinha entre Pedrouços (Lisboa) e a Cruz Quebrada (Oeiras) será exclusivamente assegurado por privados, de acordo com o documento referente ao plano estratégico deste empreendimentos, a que o Jornal Económico teve acesso. Veja aqui todos os pormenores sobre aquela que é designada como a Nova Expo.

Nova Expo na zona ocidental de Lisboa: 73% do investimento de 300 milhões vai ser privado

O projeto de reconversão urbana da zona ribeirinha entre Pedrouços e a Cruz Quebrada prevê um investimento global de 300 milhões de euros, que deverá estar concluído até 2030. Ana Paula Vitorino, ministra do Mar, vai apresentar esta manhã o projeto.
Recomendadas

Indústria Alimentar: o caminho da digitalização

No contexto da Indústria Alimentar, as organizações para se adaptarem necessitam de investir, e, atualmente, as tecnologias digitais chave passam pela: Robótica, Serviços móveis, Tecnologia Cloud, Internet-of-Things, Cibersegurança, Big Data e Analítica avançada, Impressão 3D, Inteligência Artificial e Social Media. Os consumidores, também eles cada vez mais nativos digitais, ditam tendências e as indústrias adaptam-se, quer […]

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.

Procrastinação ou a coragem de mudar

É preciso saber e decidir sem vacilar. Caso contrário, faremos parte das fotos guardadas no baú. Para mais tarde recordar.
Comentários