Novas regras de uso de monumentos reservam Panteão para “eventos culturais”

Os valores a cobrar para a realização destes eventos culturais passam a oscilar entre os mil e os cinco mil euros, dependendo do espaço do Panteão a ser utilizado, ao passo que os anteriores valores iam de 750 a 1.500 euros.

Mosteiro Dos Jeronimos

O Panteão Nacional vai passar a só poder ser usado para eventos culturais criteriosamente selecionados e que respeitem a dignidade cultural do espaço, segundo o regulamento de aluguer e cedência de espaços, hoje publicado em Diário da República.

O despacho, que entra em vigor na quinta-feira, estabelece que todas as atividades e eventos a desenvolver devem obrigatoriamente respeitar o prestígio histórico e cultural do espaço cedido.

Nesse contexto, não serão autorizados pedidos de caráter político-partidário ou inseridos em campanha eleitoral, assim como não serão autorizados os pedidos que colidam com a dignidade dos monumentos, museus e palácios, que perturbem o acesso e circuito dos visitantes, e as atividades planeadas ou já em curso.

O diploma define que poderão ser autorizadas reuniões sindicais desde que legalmente enquadradas e envolvendo diretamente os trabalhadores dos serviços dependentes.

Especificamente sobre o Panteão Nacional, instalado na Igreja de Santa Engrácia, o despacho assinado pelos ministros da Cultura e das Finanças determina que “só podem ser autorizados eventos de natureza cultural, criteriosamente selecionados e enquadrados com a dignidade dos espaços”.

Os valores a cobrar para a realização destes eventos culturais passam a oscilar entre os mil e os cinco mil euros, dependendo do espaço do Panteão a ser utilizado, ao passo que os anteriores valores iam de 750 a 1.500 euros.

Relativamente ao Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, e ao Mosteiro de Santa Maria da Vitória, na Batalha, igualmente com o estatuto de Panteão Nacional, fica proibida a realização de refeições.

Contudo, essa restrição não se aplica a todo o conjunto edificado, mas apenas aos locais com estatuto de Panteão, o que significa que no Mosteiro de Santa Maria da Vitória é possível fazer jantares e ‘cocktails’ no Claustro D. Afonso V, enquanto no Mosteiro dos Jerónimos poderão ser autorizados ‘cocktails’ no antigo refeitório.

O antigo despacho previa a possibilidade de se fazer jantares no Antigo Refeitório e nos claustros do Mosteiro dos Jerónimos, por 20 mil e 40 mil euros, respetivamente, e ‘cocktails’ nesses espaços e ainda no jardim interior, por 7.500, 15 mil e dez mil euros.

Os eventos especiais (por exemplo, sociais, culturais e académicos), neste monumento, passam a ser autorizados apenas no antigo refeitório, por 7.500 euros (cinco mil de acordo com o anterior despacho).

Quanto ao Mosteiro de Santa Maria da Vitória, acabam os jantares e ‘cocktails’ no claustro real e nas capelas imperfeitas, e passam a ser autorizados apenas no claustro D. Afonso V (que não estava contemplado no anterior despacho), por três mil e 1.500 euros, respetivamente.

No Convento de Cristo, os jantares passam a poder ser realizados apenas no refeitório dos frades, acabando a possibilidade de fazer refeições no claustro principal.

Na Torre de Belém, acabam os eventos no terraço e são revistos os valores a cobrar na Sala do Baluarte: os jantares passam para dez mil euros (eram 7.500), os ‘cocktails’, para quatro mil (eram 3.000), e os eventos culturais passam para dois mil (eram 1.500). Passam a estar previstos eventos especiais (por 4 mil euros), que não constavam do anterior despacho.

No Museu Nacional de Arte Antiga, as novas alterações preveem o fim de atividades no átrio, o fim dos jantares, que anteriormente eram autorizados no jardim, por 2.500 euros, e o fim dos eventos especiais, pelos quais eram antes cobrados 1.500 euros, no auditório.

Os ‘cocktails’ que se faziam no átrio deste museu passam a ser permitidos no jardim, pelo mesmo valor (dois mil euros), e apenas eventos culturais podem acontecer no auditório.

Outra novidade deste diploma, é a introdução de regras de utilização e cedência de espaços para o Forte de Sacavém, monumento onde funciona a biblioteca SIPA – Sistema de Inventário do Património Arquitetónico.

Este monumento só faz parte da Direção-Geral do Património Cultural desde 2015, razão por que não figurava no anterior despacho, datado de junho de 2014.

Assim, e de acordo com o atual despacho, o pátio exterior do forte pode ser usado para ‘cocktails’, por mil euros, e podem ser autorizados eventos culturais e especiais no auditório, no pátio exterior e na sala de exposições, por valores entre 500 e mil euros.

A nova tabela não inclui valores sobre cedência de espaços e monumentos para filmagens, como acontecia com a anterior, porque “está a ser ultimado” um novo regulamento autónomo, apenas para a rodagem de obras cinematográficas e audiovisuais, disse à agência Lusa fonte do Ministério da Cultura.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários