Novo Banco vai reunir-se com PJT Partners

O Novo Banco e o Fundo de Resolução vão reunir-se este mês com a PTJ Partners que diz representar 30% dos obrigacionistas.

Reuters

O Novo Banco e o Fundo de Resolução/Banco de Portugal estão a analisar a carta dos investidores que se reuniram num comité representado pela PJT Partners. Mas o Jornal Económico sabe que há intenção de reunirem-se durante este mês com a PJT Partners, uma boutique financeira criada por ex-partners da BlackStone, e que alega reunir 30% das obrigações do Novo Banco. Ora como os institucionais são 57% dos detentores de obrigações, este grupo é mais de metade dos investidores institucionais.

No entanto, segundo fonte próxima do processo, para se sentarem à mesa das negociações com estes investidores, os fundos têm de assumir por escrito o compromisso de não transacionar as obrigações do Novo Banco, que detêm, no mercado, nem adquirir novas obrigações. Isto porque os fundos querem ter acesso a informação que é privilegiada e como tal não podem estar em simultâneo a operar no mercado.  Este grupo de obrigacionistas pediu ao Banco de Portugal acesso a informações sobre o acordo assinado com a Lone Star para a venda do Novo Banco.

O Novo Banco contratou um sindicato bancário liderado pelo JP Morgan e composto pelo Deutsche Bank e pelo Mediobanca que contactam os gestores de fundos. Mas o nível de informação pretendida pelos investidores representados pela PJT Partners exige um contato a um nível mais alto, envolvendo a administração do Novo Banco e os representantes do Banco de Portugal enquanto Autoridade de Resolução.

O Expresso e o Eco noticiaram na semana passada as duas cartas enviadas, uma ao Novo Banco a 16 de maio e outra cerca de dez dias depois ao Fundo de Resolução.

O Expresso dizia que as grandes gestoras de fundos, como a Pimco e a York Capital, fariam parte desse grupo que questiona a necessidade de uma troca de obrigações — conhecida como exercício de gestão de passivos (Liability Management Exercise – LME).

Recorde-se que a Pimco faz parte de um grupo de 20 investidores internacionais que recorreram judicialmente da decisão do Banco de Portugal de transferir cinco linhas de obrigações sénior do Novo Banco para o BES ‘mau’.

Nas cartas este grupo de investidores revela que criou um Comité de obrigacionistas do Novo Banco, tendo contratado a firma britânica PJT Partners como assessora financeira. Na carta dizem não perceber porque é que é exigido a operação de LME e dizem que o Novo Banco “não deu nenhuma justificação legal ou comercial para a necessidade de ter de haver este LME, a não ser o facto de ter sido incluída como condição para venda à Lone Star”.

Dizem ainda que se o Lone Star não conseguir completar a compra do Novo Banco sem o LME, então o comité está disposto a discutir uma transacção em termos semelhantes à que foi acordada com o Lone Star.
Os investidores dizem ainda na carta estarem disponíveis para discutir a troca voluntária de dívida, mas vão mais longe e acrescentam ter sugestões para estruturar uma troca de obrigações que beneficie ambas as partes.
No final da carta, o comité convida o Novo Banco para uma reunião para discutir a proposta.

Ler mais
Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários