Novo sinal de alarme: Áustria reforça fronteira se a Alemanha ativar regressos

O chanceler austríaco, Sebastian Kurz, está na expectativa para perceber o que quer dizer na prática o acordo entre os partidos alemães. E não está disposto a admitir mais imigrantes no seu país.

O governo austríaco afirmou feira que está “disposto a tomar medidas para proteger” as suas fronteiras e não permitir que novos contingentes de imigrantes ou refugiados entrem e permaneçam no seu país. As declarações públicas do chanceler austríaco Sebastian Kurz – que lidera uma coligação da direita com a extrema-direita (a OVP e a FPO) – parecem ir no sentido de estar à espera para ver no que dá, no terreno, o acordo entre o partido de ANgela Merkel e os seus correligionários bávaros da CSU.

A CDU e a CSU admitiram que o acordo – que prevê, entre outras coisas, que os refugiados e imigrantes que cheguem à Alemanha sejam reenviados para os países onde deram entrada no espaço da União Europeia – só será possível se houver acordos posteriores com outros países.

Ainda no âmbito do acordo, Berlim concordou em criar centros de controlo na fronteira entra a Áustria e a Baviera, onde os imigrantes serão bloqueados. O problema é que a Áustria também tem uma palavra a dizer sobre a matéria. “Vamos ser forçados a tomar medidas para evitar desvantagens para a Áustria e para a sua população” se o governo alemão confirma esse compromisso, alertou Viena, em comunicado oficial divulgado pela imprensa.

O comunicado acrescenta que ele o governo está pronto “para tomar medidas para proteger as suas fronteiras no sul”, especialmente com a Itália e a Eslovénia.

Sebastian Kurz disse que poderia implementar disposições semelhantes às que fazem parte do acordo da coligação alemã e enviar para as suas fronteiras meridionais aos requerentes de asilo.

Horst Seehofer, ministro alemão do Interior – que despoletou a crise – disse que o pacto oferece “um novo regime de fronteira” entre a Alemanha e a Áustria, que inclui a criação de “centros de trânsito” a partir dos quais será possível recusar a entrada de requerentes de asilo que já tenham sido registados noutros países da União Europeia.

Horst Seehofer manteve esta terça-feira uma conversa telefónica com Kurz – entre outros responsáveis de outros países, nomeadamente italianos – justamente para chegar a um acordo bilateral sobre o retorno dos refugiados.

O Comunicado de Viena diz ainda que “estamos agora à espera de uma clarificação rápida da posição da Alemanha ao nível federal”. O que pode demorar o seu tempo: o SPD, o outro parceiro da coligação alemã, também tem de dar o seu aval ao acordo conseguido entre a CDU e a CSU.

Aparentemente, esse será o ponto mais fácil: o SPD já disse publicamente que toda a situação só ajuda ao crescimento da extrema-direita (que está no parlamento alemão por via do AfD), pelo que não quererá manter aqui que diz ser “teatro” que não serve senão ao populismo.

“A discussão alemã mostra mais uma vez quão importante é a proteção comum das fronteiras externas da União Europeia”, conclui o governo austríaco.

Ler mais
Relacionadas

Respostas Rápidas: o que diz o acordo entre Merkel e a CSU?

Depois de duas semanas de dramatismo em crescendo, a chanceler Angela Merkel e os seus aliados tradicionais da CSU conseguiram chegar a um acordo. Os analistas consideram-no curto – porque dependente de variáveis que não estão totalmente nas mãos do governo alemão, mas suficiente para deixar para trás os piores momentos da crise política germânica.

Migrações: Líderes falam de progressos para alcançar acordo no Conselho Europeu

O tema das migrações domina a agenda do Conselho Europeu a 28 e 29 deste mês e divide os Estados-membros, nomeadamente no que respeita às regras para acolhimento de refugiados e concessão de asilo.
Recomendadas

“Que Deus abençoe a memória daqueles em Toledo”. Trump engana-se no nome da cidade do massacre no Ohio

O presidente norte-americano referiu-se referiu a Toledo, e não a Dayton, nas suas observações sobre um dos recentes massacres onde morreram nove pessoas e outras 27 ficaram feridas.

A “Casa de Papel” na vida real: Assalto à Casa da Moeda do México leva dos cofres 50 milhões em menos de 4 minutos

Os assaltantes conseguiram desarmar um guarda e furar todas as barreiras de segurança até chegarem ao cofre de segurança, que estaria aberto. Em menos de quatro minutos, o grupo de homens roubou e fugiu do edifício sem que a polícia tivesse sequer chegado.

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.
Comentários