Nuvem de guerra traz verão cinzento para a bolsa de Lisboa

O PSI 20 escapou às quedas que marcaram os índices no primeiro semestre, mas não deverá ficar imune ao contágio do conflito comercial e à incerteza política na Europa nos próximos três meses.

As ofertas da China Three Gorges  (CTG) para adquirir as empresas do Grupo EDP e o disparo dos títulos do setor papeleiro permitiram à bolsa de Lisboa manter-se acima da linha de água nos primeiros seis meses do ano, um período no qual a maioria dos índices acionistas globais derraparam para terreno negativo.

Segundo três dos quatro analistas e traders consultados pelo Jornal Económico, o índice poderá até repetir a outperformance face aos pares no terceiro trimestre, mas vários fatores externos – como a incerteza criada pelo escalar da guerra comercial – poderão atirar a bolsa nacional para o vermelho. Na estimativa dos quatro participantes, o PSI_20 deverá recuar 0,74% até setembro para 5.478 pontos.

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários