O Filho – Philipp Meyer: A saga épica de uma família texana

Foi com esta obra épica, com 640 páginas, que Meyer foi finalista do prémio Pulitzer.

Agora em livro, a história que inspirou a história que se desenrola na televisão, no canal AMC, numa dezena de episódios protagonizados por Pierce Brosnan, que já foi James Bond e que agora é Eli McCullough, a grande força por trás de uma família texana, que vive os dramas e a crueza do processo de domesticação ou destruição do oeste selvagem.

“O Filho”, o romance de fôlego escrito por Philipp Meyer, começa com citações de “A História do Declínio e Queda do Império Romano”, de Edward Gibbon, e a ideia de como os desígnios da fortuna podem deitar abaixo os maiores feitos mais grandiosos da capacidade humana.

O que se conta é a história de uma família do Texas, abrangendo quase dois séculos de vida orgulhosa e seis gerações, de ascensão, declínio e queda. Poder, sangue, terra e petróleo, desde os ataques dos índios Comanches, na fronteira, no início do século XIX, até ao crescendo do uso do petróleo e da multiplicação da riqueza criada pelo ‘ouro negro’, no século XX.

Foi com esta obra épica, com 640 páginas, que Philipp Meyer foi finalista do prémio Pulitzer para ficção, em 2014, que acabou por ser conquistado por “O Pintasilgo”, de Donna Tartt. Este é o segundo livro de Philipp Meyer, depois de “Ferrugem Americana”, publicado em 2009, também um trabalho de fôlego.

Meyer é natural de Baltimore. Depois do liceu foi voluntário num centro para vítimas de trauma e, mais tarde, frequentou a Cornell University, onde se licenciou em estudos Ingleses. Foi membro do Michener Center for Writers em Austin, Texas. Vive no Texas e em Nova Iorque. O livro é editado pela Bertrand Editora.

Recomendadas

Carocha: Afinal, o carro do povo não morreu

Ao fim de oito décadas, o veículo que atravessou diversos momentos históricos chegou ao fim de uma longa estrada. O Carocha foi um símbolo do renascimento económico da Alemanha do pós-guerra e foi um sucesso de vendas nos Estados Unidos. Em Portugal, o espírito continua bem vivo: além de um hino, são vários os clubes e os colecionadores que guardam relgiosamente um modelo que pode valer mais de 100 mil euros.

Ângelo Girão: o comendador que mete medo aos avançados

Meses depois de ser campeão europeu de clubes pelo Sporting, realizou o sonho de tornar Portugal campeão mundial. O fim do jejum que durava desde 2003 deveu-se em grande parte ao guarda-redes de 29 anos que provou, uma vez mais, que não existe ninguém melhor a evitar que os sticks levem a bola para dentro da baliza. Os argentinos, espanhóis e italianos podem confirmá-lo.

Assembleia da República: Maioria absoluta masculina, acima dos 50 e recém-chegada

A XIII Legislatura, que está quase a terminar, não fica só marcada pela “geringonça”. Ao longo dos últimos quatro anos os portugueses foram representados por um Parlamento tão envelhecido quanto inexperiente no desempenho de funções. Aqui está a radiografia dos nossos deputados.
Comentários