Obras de Caravaggio e Goya contam a “História Partilhada” de Portugal e Espanha

Cerca de centena e meia de peças provenientes dos palácios reais de Espanha dão a conhecer as relações entre as cortes espanhola e portuguesa, durante os séculos o XV e XIX, na Gulbenkian. A exposição intitula-se “A História Partilhada. Tesouros dos Palácios Reais de Espanha” e decorre até 25 de janeiro nas galerias de exposições […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/staging.jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 876

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/staging.jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 876

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/staging.jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 876

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/staging.jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 876

Cerca de centena e meia de peças provenientes dos palácios reais de Espanha dão a conhecer as relações entre as cortes espanhola e portuguesa, durante os séculos o XV e XIX, na Gulbenkian. A exposição intitula-se “A História Partilhada. Tesouros dos Palácios Reais de Espanha” e decorre até 25 de janeiro nas galerias de exposições temporárias do Museu Calouste Gulbenkian. Através de um núcleo de 144 peças – designadamente livros, pinturas, armaduras, ourivesaria, esculturas, têxteis e mobiliário – a mostra revela cerca de três séculos e meio de história entre as monarquias de Portugal e Espanha.

Data: Até 25 de janeiro

Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?