OE2015… “é o que pode ser”

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou que o Orçamento do Estado para 2015 “é o que pode ser”, adiantando que Portugal “ainda está de alguma forma vulnerável a choques externos que possam ocorrer”. “Na verdade, é o que pode ser. Tem equilíbrio e responsabilidade porque o Estado não está ainda em condições de poder devolver […]

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou que o Orçamento do Estado para 2015 “é o que pode ser”, adiantando que Portugal “ainda está de alguma forma vulnerável a choques externos que possam ocorrer”.

“Na verdade, é o que pode ser. Tem equilíbrio e responsabilidade porque o Estado não está ainda em condições de poder devolver tudo, mas tem sinais importantes que mostram às pessoas que tempos mais agudos estão por agora vencidos”, declarou, quando questionado sobre a proposta orçamental para 2015 em discussão na Assembleia da República.

Pedro Passos Coelho lembrou que na semana passada, perante “indefinições na Grécia”, as taxas de juro a 10 anos dispararam logo em países como Espanha, Portugal, Itália e também Irlanda.

“Essa é a razão deste Orçamento do Estado”, sublinhou.

O primeiro-ministro falava na Câmara Municipal de Valença, município que não recebia a visita de um chefe de governo há 25 anos.

 

OJE/Lusa

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.