OE2019: PS antecipa que negociação com parceiros de esquerda será mais difícil

Estas palavras foram proferidas por Carlos César no final da audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém, reunião que durou cerca de uma hora.

O presidente do PS manifestou-se hoje confiante na manutenção da estabilidade política no país, mas antecipou que a negociação do orçamento para 2019 com os parceiros de esquerda, no último ano da legislatura, “será mais difícil”.

Estas palavras foram proferidas por Carlos César no final da audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém, reunião que durou cerca de uma hora.

“Estamos no último ano desta legislatura e é natural que cada um dos partidos queira salientar diferenças que são naturais e verdadeiras. Portanto, é sempre mais difícil o último orçamento, mas será certamente o momento em que se afirmará a estabilidade política”, sustentou o presidente do PS.

Tendo ao seu lado a secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, o presidente dos socialistas assumiu que a questão da estabilidade política e do Orçamento do Estado para 2019 foi um dos temas abordados na audiência com o chefe de Estado.

Depois de avisar que não iria transmitir qualquer elemento sobre a forma como essa questão foi abordada na audiência com o Presidente da República, Carlos César assumiu que, para o PS, o processo de aprovação da proposta do Governo de Orçamento do Estado será mais complexo em termos negociais.

“Acreditamos que este Orçamento do Estado conhecerá a sua aprovação. Tal como os anteriores, a negociação com os nossos parceiros reveste-se de complexidade, porque todos sabemos que o PS tem opções diferentes em várias matérias face ao PEV, PCP e Bloco de Esquerda”, começou por referir.

No entanto, Carlos César apontou depois que o PS está habituado a trabalhar em conjunto com o Bloco de Esquerda, PCP e PEV.

“Conhecemos as diferenças e valorizamos aquilo em que podemos ter convergência – a convergência necessária para que este Orçamento seja bom e seja aprovado e que esta legislatura culmine com uma governação com resultados que a todos se deve”, acrescentou, numa alusão ao Bloco de Esquerda, PCP e PEV.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários