Oito profissões que vão desaparecer com a chegada do automóvel autónomo

O automóvel autónomo está, literalmente, ao virar da esquina. 2020 é o ano fixado pelas marcas como ponto de inflexão para a indústria. Até 2025, esta tecnologia vai conduzir-nos até à total robotização da condução.

Mark Blinch / Reuters

Uma mudança radical num contexto do qual depende uma grande variedade de profissões que parecem ter os dias contados para reconverter-se ou, em muitos casos, desaparecer. Estes são oito exemplos de empregos que serão ameaçados pela chegada do automóvel autónomo:

Condutores profissionais: Provavelmente, a profissão mais afetada, especialmente nos transportes públicos. O automóvel autónomo irá provocar o despedimento de condutores para contratar engenheiros, uma transição de dimensão incalculável;

Professores de escolas de condução: A educação da condução deixa de fazer sentido. Serão os automóveis a tomar as suas próprias decisões, a coordenar-se e a velar pela segurança tantos dos ocupantes como dos peões;

Distribuidores: Neste caso, e em termos tecnológicos, estes profissionais estão ameaçados pelos veículos autónomos mas também pelos drones. Têm-se vindo a desenvolver formas de efetuar entregas a clientes sem intermediação humana;

Analistas de tráfego: As entidades que controlam o tráfego rodoviário, dedicadas à constante atualização e supervisão das incidências que possam ocorrer nas estradas.

Agentes de mobilidade: A regulação do tráfego deixará de ser necessária. Além disso, as multas vão descer drasticamente pois a adaptação à velocidade máxima permitida na via será feita de forma automática e as sanções por estacionamentos irregulares diminuirão ou desaparecerão. Estes dois aspectos são dois dos pilares fundamentais das multas que são impostas.

Agricultores: A condução autónoma não se limita unicamente ao automóveis. A tecnologia também vai chegar aos tratores e em menos tempo do que se imagina. A outra grande transformação, a viragem para os motores eléctricos, também terá lugar neste setor.

Agentes de seguros: Estão obrigados a adaptar-se às grandes mudanças. O aumento de segurança proporcionado pelos “autónomos” vai provocar uma baixa de preço dos veículos com esta tecnologia, enquanto que os carros convencionais passarão a ter um preço do seguro maior, uma vez que o humano será o grande risco das empresas e não os automóveis autónomos.

Pessoal de manutenção: Os pontos negros das estradas vão desaparecer. Os robots vão adaptar a condução às condições da via e não será assim necessária a implantação ou renovação de todo o tipo de sinais de tráfego no asfalto.

 

 

 

Ler mais
Recomendadas

Indústria Alimentar: o caminho da digitalização

No contexto da Indústria Alimentar, as organizações para se adaptarem necessitam de investir, e, atualmente, as tecnologias digitais chave passam pela: Robótica, Serviços móveis, Tecnologia Cloud, Internet-of-Things, Cibersegurança, Big Data e Analítica avançada, Impressão 3D, Inteligência Artificial e Social Media. Os consumidores, também eles cada vez mais nativos digitais, ditam tendências e as indústrias adaptam-se, quer […]

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.

Procrastinação ou a coragem de mudar

É preciso saber e decidir sem vacilar. Caso contrário, faremos parte das fotos guardadas no baú. Para mais tarde recordar.
Comentários