Pagar a casa continua em modo light

A taxa de juro dos contratos de crédito à habitação voltou a descer em setembro, tal como no mês anterior, mas aumentou nos contratos celebrados nos últimos 3 meses, revelou o Instituto Nacional de Estatística (INE). No mês passado, a taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação foi de 1,471%, […]

A taxa de juro dos contratos de crédito à habitação voltou a descer em setembro, tal como no mês anterior, mas aumentou nos contratos celebrados nos últimos 3 meses, revelou o Instituto Nacional de Estatística (INE).

No mês passado, a taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação foi de 1,471%, menos 0,020 pontos percentuais (pp) do que a taxa de 1,491% registada em agosto.

Os contratos celebrados nos últimos 3 meses, com uma taxa de juro implícita de 3,131%, registaram no entanto um aumento face à taxa de 3,071% registada em agosto.

Nos contratos que visam financiar a aquisição de habitação, a taxa de juro também sofreu uma redução ao passar de 1,505% em agosto para 1,484% em setembro, mas nos contratos celebrados nos últimos 3 meses foi 3,115%, superior em 0,065 pp à registada em agosto.

Para o conjunto dos contratos de crédito à habitação, o valor médio da prestação vencida fixou-se em 259 euros em setembro, idêntica à do mês anterior, mas para os contratos celebrados nos últimos 3 meses o valor foi de 353 euros, mais 13 euros do que em agosto.

O valor do capital médio em dívida, para a totalidade dos contratos de crédito à habitação, foi 57.019 euros em setembro, menos 86 euros do que em agosto.

O INE destaca a diminuição do capital médio em dívida desde setembro de 2011, salientando que atingiu uma redução acumulada de 2.615 euros.

 

OJE/Lusa

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?