Paulino Ascensão afirma que Governo Regional protege interesse do ‘dono da Madeira’ na operação ferry

Para o dirigente do BE Madeira a operação ferry não é viável acrescentando que as condições restritivas no transporte de carga e as elevadas taxas portuárias foram fatores que afastaram possíveis interessados na ligação marítima entre a Madeira e o Continente.

Para o coordenador regional do BE, Paulino Ascensão, a operação do ferry “não é viável” e que o processo conduzido pelo Governo Regional visou proteger os interesses do ‘dono da Madeira’ e não os das populações.

As condições restritivas no transporte de carga, e as elevadas taxas portuárias, foram factores que no entender de Paulino Ascensão “desincentivaram qualquer potencial interessado a apresentar proposta” para o ferry e com isso “protegeu o operador que domina o transporte de carga contentorizada entre a Madeira e o Continente”.

“A carga é fundamental para a viabilidade do ferry pois não é afetada pela sazonalidade. Depois de conhecido o vencedor desejado do concurso, as taxas portuárias foram reduzidas pelo Governo Regional”, afirma o bloquista.

Para Paulino Ascensão os “preços proibitivos no transporte de carga”, o “anúncio tardio da operação e do início de venda de bilhetes, a “impossibilidade absurda de compra de um bilhete entre Portimão e as Canárias”, e “a obrigação dos passageiros em trânsito desembarcarem no Funchal e fazerem novo ‘check-in’ para prosseguirem viagem”, e a “falta de campanhas de promoção / informação junto do publico e dos agentes de viagens”, são razões que demonstram a “falta de interesse” tanto do operador como do Governo Regional nesta operação ferry.

“Não estamos perante o cumprimento de uma promessa feita ao povo de reintroduzir a ligação marítima de passageiros, mas sim o cumprimento de uma promessa feitas ao ‘dono da Madeira’ de proteger os seus interesses”, reforça.
Recomendadas

PremiumO Vinho Madeira que passa de geração em geração desde 1850

O maior desafio do Vinho Madeira é aumentar a produção das castas nobres Sercial, Verdelho, Boal, Malvasia e Terrantez, e diminuir a produção da Tinta Negra, “que já é excessiva”, diz Pereira de Oliveira.

PremiumDireito ainda está “fora de questão” mas “poderia reter” estudantes na região

Para já, não está em cima da mesa a criação de uma licenciatura em Direito na UMa, mas o reitor José Carmo diz que o curso tem procura local.

PremiumO valor do patrocínio num evento como o Rali Vinho Madeira

O Rali Vinho Madeira é um evento que ao longo dos anos tem atraído milhares às estradas madeirenses. Mas nem só de público vive esta prova de desporto motorizado. O patrocínio é outras das vertentes que sustenta e ajuda a levar cada edição a bom porto. Entre os patrocinadores estão marcas e empresas como a MEO e o BPI.
Comentários