PCP quer programa europeu para os transportes no Porto Santo

O partido quer um novo modelo de transportes, para o Porto Santo, como maneira de dar um novo rumo ao desenvolvimento regional, e defende que a União Europeia deve financiar esse programa.

O PCP quer que seja implementado um POSEI, uma espécie de programa para a insularidade das Regiões Ultraperiféricas, de modo a dar um novo rumo ao desenvolvimento regional.

A proposta surge na sequência de uma visita do eurodeputado do PCP, João Ferreira, ao Porto Santo, numa visita que teve como objetivo analisar os problemas do setor dos transportes.

Para os comunistas a ligação aérea, a cargo da Binter, tem trazido “vários impactos para a economia e para a vida concreta das populações” entre os quais os “custos das viagens e dos horários das ligações aéreas”.

Nesse sentido o partido defende “uma nova política de transportes aéreos” e que o financiamento deve ser feito com apoio da União Europeia.

“No Parlamento Europeu vamos propor um POSEI transportes. Contamos com o apoio das entidades regionais da Madeira e do Governo nacional no apoio a esta justa proposta”, clarificou o eurodeputado.

Recomendadas

PremiumO Vinho Madeira que passa de geração em geração desde 1850

O maior desafio do Vinho Madeira é aumentar a produção das castas nobres Sercial, Verdelho, Boal, Malvasia e Terrantez, e diminuir a produção da Tinta Negra, “que já é excessiva”, diz Pereira de Oliveira.

PremiumDireito ainda está “fora de questão” mas “poderia reter” estudantes na região

Para já, não está em cima da mesa a criação de uma licenciatura em Direito na UMa, mas o reitor José Carmo diz que o curso tem procura local.

PremiumO valor do patrocínio num evento como o Rali Vinho Madeira

O Rali Vinho Madeira é um evento que ao longo dos anos tem atraído milhares às estradas madeirenses. Mas nem só de público vive esta prova de desporto motorizado. O patrocínio é outras das vertentes que sustenta e ajuda a levar cada edição a bom porto. Entre os patrocinadores estão marcas e empresas como a MEO e o BPI.
Comentários