Pedro Cardoso, CEO do BNU, eleito “Banqueiro do Ano” na Ásia

O presidente-executivo do Banco Nacional Ultramarino, do Grupo CGD, foi eleito “Banqueiro do Ano” na Ásia pela revista World Finance.

Pedro Cardoso, presidente-executivo (CEO) do Banco Nacional Ultramarino (BNU), com sede em Macau, foi eleito “Banqueiro do Ano” na Ásia, pela revista “World Finance”.

O banqueiro português está em Macau desde 2011, ano em que assumiu a liderança do BNU, instituição que pertence à Caixa Geral de Depósitos (CGD). Desde 2011, as receitas do BNU tiveram um crescimento de 107%, enquanto o número de clientes cresceu 17% para 225 mil, numa região que conta com 650 mil habitantes.

A estratégia seguida pelo BNU passa por procurar desempenhar o papel de elo de ligação entre os países da Lusofonia, Macau e o resto da China. Para tal, o BNU abriu uma sucursal em Hengqin, na província chinesa de Guangdong (Cantão).

Em declarações à “World Finance”, Pedro Cardoso afirmou que a abertura desta nova sucursal pretende ser uma ponte para a cooperação económica e financeira entre a China e os países de expressão portuguesa, bem como para possibilitar a cooperação financeira entre Guangdong e Macau, baseando-se na plataforma de serviços financeiros China-Portugal. Além disso, esta nova plataforma irá “gerar oportunidades de apoio a investidores chineses e a empresas de países de expressão portuguesa que tentem expandir-se para o mercado chinês”, defendeu.

Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários