Penhoras bancárias ultrapassam 1.000 milhões de euros em quatro anos

O bastonário da Ordem dos Solicitadores e Agentes de Execução (OSAE), José Carlos Resende, nota que o número de penhoras eletrónicas diminuiu nos últimos quatro anos, apesar de se ter registado um aumento do valor arrecadado.

O novo Código do Processo Civil entrou em vigor em setembro de 2013 e, desde então, foram realizadas 339 mil penhoras de saldos bancários. A nova lei tornou mais céleres as penhoras bancárias e o valor já ultrapassa os 1.000 milhões de euros, avança o “Jornal de Notícias”.

Segundo o bastonário da Ordem dos Solicitadores e Agentes de Execução (OSAE), José Carlos Resende, o número de penhoras eletrónicas diminuiu nos últimos quatro anos, apesar de se ter registado um aumento do valor arrecadado. O “JN” nota que a 22 de fevereiro tinham sido penhorados saldos num valor acumulado de 1.033 milhões de euros.

Os leilões eletrónicos viram também um novo impulso à recuperação de créditos e o bastonário dá conta de que há “executados a agradecerem por ter vendido a casa porque acabam por ter lucro”. As execuções/penhoras foram, no ano passado, a segunda causa de sobre-endividamento dos casos que chegaram à Deco – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor.

Com a entrada em vigor da nova legislação, os agentes de execução viram o seu trabalho facilitado, sem terem de recorrer a um juiz. José Carlos Resende sublinha que as penhoras eletrónicas vieram reduzir a burocracia e “evitar a humilhação de ir a casa de uma pessoa penhorar bens móveis, o que agora só acontece em último recurso”.

Relacionadas

Delação premiada e enriquecimento ilícito fora do Pacto de Justiça

A deleção premiada e o combate ao enriquecimento ilícito ficaram fora do Pacto de Justiça após juízes, procuradores, advogados, solicitadores e funcionários judiciais não chegarem a consenso, facto lamentado pelo presidente do sindicato de magistrados do Ministério Público.
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários