Peso dos salários do Estado no PIB não era tão baixo desde 1989

A despesa pública com pessoal – 11% do PIB em 2017, segundo o Conselho de Finanças Públicas – está em mínimos de 29 anos. A tendência é de descida e de aproximação à média da zona euro (9,9%).

Teodora Cardoso, presidente do Conselho de Finanças Públicas

A despesa do Estado com o pessoal terá representado 11% do produto interno bruto (PIB) em 2017, segundo a previsão do Conselho de Finanças Públicas, divulgada na semana passada. O valor coloca o peso dos salários na economia em mínimos de 29 anos, de acordo com as contas feitas pelo “Público”.

O matutino refere esta segunda-feira, dia 26 de março, que o peso dos salários do Estado no PIB não era tão baixo desde 1989 e que os tais 11% significam uma diminuição de três décimas face ao ano anterior, quando se registou 11,3%.

Apesar de 2017 ter sido o primeiro ano, desde 2010, em que não houve cortes nos salários dos funcionários públicos, o bloqueio dos cortes não foi suficiente para travar a descida do peso das despesas com pessoal no PIB português.

O diário argumenta que a queda se deveu ao crescimento mais forte da economia nacional, à substituição dos funcionários públicos que se reformam por outros com salários mais baixos e à falta de progressões na carreira e refere que a tendência é de descida e de aproximação à média da zona euro (9,9%).

Relacionadas

Conselho das Finanças Públicas confirma défice de 2017 inferior ao previsto pelo Governo

Organismo liderado por Teodora Cardoso sublinha que correção até ao final do terceiro trimestre beneficiou do excedente orçamental verificado entre julho e setembro, trimestre em que foi o mais elevado desde 1995.
Recomendadas

Cinco anos da resolução do BES: os principais rostos de uma história que abalou Portugal

No dia 3 de agosto de 2014, Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, anunciou em direto televisivo o colapso do BES e o nascimento do Novo Banco através de uma injeção de 4.900 milhões. Conheça alguns dos intervenientes desta história que aqueceu ainda mais o verão em Portugal.

Cerberus dá preço mais alto pelos imóveis do Novo Banco

O Novo Banco está na fase final das negociações com dois candidatos – Cerberus e Bain – para escolher o comprador do portfólio de imóveis conhecido por “Sertorius”.

Saída em bloco de quadros no Crédit Suisse em Portugal

O Crédit Suisse em Portugal vai perder 10 quadros, a partir de agosto. Equipa de gestão de fortunas liderada por Gonçalo Maleitas Correia deverá ir para o concorrente Julius Baer, em Madrid.
Comentários