Phoenix: O regresso do indie e a instalação do amor

Já não os ouvíamos desde a última digressão em 2014, com o álbum “Bankrupt”, onde subiram ao palco do NOS Alive para cantar os maiores hits da banda, como “1901” e “Lisztomania”.

Mas é o ano de 2017 que marca o regresso dos Phoenix, que querem espalhar o amor pelo mundo com o mais recente álbum – “Ti Amo” – que pode ser comprado a partir de sexta-feira.

O quarteto – composto pelos franceses Thomas Mars (voz), Laurent Brancowitz (guitarra), Christian Mazzalai (guitarra) e Deck D’Arcy (baixo) – começou a produzir este álbum no final de 2014, e uns meses mais tarde o medo começou a instalar-se na Europa, principalmente depois do atentado numa das mais míticas salas de espetáculo, o “Bataclan”, em Paris, disse a banda numa entrevista.

Para o New York Times este CD é “descaradamente o mais romântico da banda até agora.” O primeiro single – “J-Boy” – chegou a 11 de maio e é uma “brilhante explosão”.

Este trabalho foi produzido pelos quatro e gravado no teatro parisiense “La Gaîté Lyrique”, com o colaborador de longa data, Pierrick Devin.

“Ti Amo” é, nas palavras da banda, “um álbum sobre emoções puramente simples: amor, desejo, luxúria e inocência”, onde o single com o mesmo nome é “uma música romântica sobre a tragédia de um amor e desejo não correspondido. 100% amor – 0% violência”.

Ao todo são dez músicas: J-Boy; Ti Amo; Tuttifrutti; Fior Di Latte; Lovelife; Goodbye Soleil; Fleur De Lys; Role Model; Via Veneto e Telefono, que marcam as raízes latinas da banda. Os músicos admitiram que inspiraram-se nas paisagens e características de Itália. O CD representa “um paraíso perdido, composto pelo eterno verão (claridade, luz e gelados de pistácio), rádios na praia, e os atores Monica Vitti e Marcello Mastroiani.”

Os quatro músicos juntaram-se no ano de 1995 mas só quatro anos depois formalizaram o grupo com o nome “Phoenix”.

Em 2009, com o lançamento de “Wolfgang Amadeus Phoenix”, conseguiram reconhecimento a nível mundial, conquistando o “Grammy” de “Melhor Álbum de Música Alternativa”.

Os Phoenix confirmaram recentemente que, como parte da grande turnê mundial, que começou no dia 12 de maio nos Estados Unidos, vão regressar ao mítico festival de Glastonbury. Por cá, passam pelo palco do NOS Alives no dia 6 de julho, no mesmo dia de The Weeknd, The xx e alt-J.

Ler mais
Recomendadas

Carocha: Afinal, o carro do povo não morreu

Ao fim de oito décadas, o veículo que atravessou diversos momentos históricos chegou ao fim de uma longa estrada. O Carocha foi um símbolo do renascimento económico da Alemanha do pós-guerra e foi um sucesso de vendas nos Estados Unidos. Em Portugal, o espírito continua bem vivo: além de um hino, são vários os clubes e os colecionadores que guardam relgiosamente um modelo que pode valer mais de 100 mil euros.

Ângelo Girão: o comendador que mete medo aos avançados

Meses depois de ser campeão europeu de clubes pelo Sporting, realizou o sonho de tornar Portugal campeão mundial. O fim do jejum que durava desde 2003 deveu-se em grande parte ao guarda-redes de 29 anos que provou, uma vez mais, que não existe ninguém melhor a evitar que os sticks levem a bola para dentro da baliza. Os argentinos, espanhóis e italianos podem confirmá-lo.

Assembleia da República: Maioria absoluta masculina, acima dos 50 e recém-chegada

A XIII Legislatura, que está quase a terminar, não fica só marcada pela “geringonça”. Ao longo dos últimos quatro anos os portugueses foram representados por um Parlamento tão envelhecido quanto inexperiente no desempenho de funções. Aqui está a radiografia dos nossos deputados.
Comentários