PIB do G20 cresceu 3,8% em 2017

Segundo dados da OCDE, o PIB do G20, grupo que reúne os países mais ricos e os emergentes grandes, tinha crescido 3,2% no conjunto de 2016 face ao ano anterior.

O Produto Interno Bruto (PIB) do G20 cresceu em termos homólogos 4% no quarto trimestre de 2017 e 3,8% no conjunto do ano passado, foi hoje anunciado.

Segundo dados da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico) hoje divulgados, o PIB do G20, grupo que reúne os países mais ricos e os emergentes grandes, tinha crescido 3,2% no conjunto de 2016 face ao ano anterior.

Em cadeia, o PIB do G20 cresceu 1% entre outubro e dezembro de 2017 face ao trimestre anterior, o mesmo ritmo de progressão dos trimestres precedentes.

A mudança de tendência mais significativa entre os países do G20 nos três últimos meses de 2017 ocorreu no México, com um aumento de 1% face ao trimestre anterior (-0,3%).

De facto, entre julho e setembro, o México tinha sido o único país que tinha registado uma evolução negativa.

Entre outubro e dezembro, os acréscimos mais significativos do PIB foram os da Índia (1,8%, igual ao do terceiro trimestre), da China (1,6%, contra 1,8% no terceiro trimestre), Indonésia (1,3%, como nos três meses precedentes).

No outro extremo, o PIB da Coreia do Sul caiu 0,2% (depois de crescer 1,5% no terceiro trimestre) e subiu apenas 0,1% no Brasil (depois de ter registado um acréscimo de 0,2% no terceiro trimestre) e 0,3% em Itália (contra 0,4% no terceiro trimestre).

Em termos homólogos, os acréscimos mais importantes registaram-se na Índia (6,8%), na China (6,8%) e na Indonésia (5,1%).

Em relação às menores taxas de crescimento do PIB também em termos homólogos estas ocorreram no Reino Unido (1,4%), no México (1,5%) e em Itália (1,6%).

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários