Pinho sugere que há “combinação” entre MP e deputados para o fazer falar

MP insiste em ouvir o ex-governante antes da sua audição no Parlamento, a 17 de julho. Advogado de Pinho fala em “combinação” com Assembleia.

O Ministério Público (MP) recusou as datas propostas pela defesa do ex-ministro da Economia para o interrogatório judicial, após convocatória marcada para esta quinta-feira, 12 de julho, ter sido inviabilizada por Manuel Pinho se encontrar na China. O MP mantém que quer ouvir o ex-governante, no inquérito às rendas excessivas de energia, na manhã de 17 de julho, antes deste ir ao Parlamento. Mas a defesa de Pinho deverá insistir em interrogatório após esta data, e deixa no ar que existe uma “combinação” para retirar ao ex-ministro o argumento de que não pode falar no Parlamento sem antes ser ouvido pela Justiça.

A notificação da data do interrogatório a Manuel Pinho foi confirmada ao Jornal Económico pelo seu advogado, Ricardo Sá Fernandes, que manifesta a sua estranheza pela recusa do MP em ouvir o ex-governante nas datas propostas, 18 ou 19 de julho, quando Pinho está para ser ouvido há um ano pela Justiça.

 

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

CPI às rendas da energia: aprovada audição a Costa e mais 99 personalidades

Entre o lote de personalidades a ouvir está o ex-ministro da Economia Manuel Pinho, o presidente da EDP, António Mexia, e o ex-presidente do BES Ricardo Salgado.

Jorge Costa: “Manuel Pinho deve importantes explicações, mas não é o único”

O deputado bloquista Jorge Costa quer inquirir outros responsáveis políticos e empresariais, como José Sócrates e Ricardo Salgado, pelas rendas excessivas do setor elétrico. “O Grupo Espírito Santo não é um ex-acionista qualquer da EDP”, sublinha.

Manuel Pinho está prestes a voltar a ser arguido

Transferências para offshores sustentam nova constituição do ex-ministro como arguido no caso EDP, independentemente de recurso junto da Relação.
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários