Plasma dos dadores de sangue portugueses vai dar para fazer medicamentos

O presidente do Instituto Português do Sangue e Transplantação disse à “TSF” que o Serviço Nacional de Saúde irá poupar 1,3 milhões de euros com a mudança, dado que as importações irão diminuir.

Pela primeira vez em Portugal, o plasma dos dadores de sangue portugueses vai servir para fazer medicamentos. À “TSF”, o presidente do Instituto Português do Sangue e Transplantação (IPST) disse que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) irá poupar 1,3 milhões de euros com a mudança.

“Vai permitir que este ano, até ao final de 2018, tenhamos, pela primeira vez em Portugal, medicamentos derivados do plasma, obtidos através do plasma português que está à guarda do IPST”, disse João Paulo Almeida e Sousa à rádio, acrescentando que tudo se cinge “no princípio de lutar contra o desperdício, respeitando a dádiva benévola, voluntária e altruísta dos portugueses”.

O aproveitamento das imunoglobulinas, albuminas e fatores de coagulação, por exemplo, vai permitir uma poupança de milhões ao SNS, porque as importações de medicamentos irão reduzir.

Esta terça-feira, 27 de março, comemora-se o Dia Mundial do Dador de Sangue.

Relacionadas

SESARAM suspende colheitas de sangue devido a grande afluência de dadores

O Serviço Regional de Saúde diz que a grande afluência que se tem registado fez com que as reservas de sangue tenham retomado alguma normalidade.

IPO quer fazer 150 transplantes de medula por ano

O presidente do conselho de administração do Instituto Português de Oncologia de Lisboa considera que a extensão da Unidade de Transplantes de Medula vai levar ao aumento da capacidade de resposta nos transplantes. “Da mesma forma que a incidência do cancro tem vindo a aumentar, a incidência de situações que originam necessidade de fazer transplante tem aumentado”, diz Francisco Ventura Ramos.
Recomendadas

“Dietas milagrosas” contrariam forma saudável de perder peso, alerta Deco

Para perder peso e manter a saúde, a dieta deve ser variada, eliminar os alimentos hipercalóricos, contemplar nunca menos de 1200 quilocalorias diárias (no caso das mulheres) e 1500 quilocalorias (no caso dos homens).

Gastos irregulares de cinco hospitais públicos sob suspeita

Inspeção-Geral das Atividades em Saúde realizou auditorias a cinco hospitais públicos e encontrou gastos irregulares no valor de 23,5 milhões de euros. 

Saúde. Privados investem 750 milhões de euros na criação de 19 hospitais até 2020

O grande reforço da oferta privada é em Lisboa e no Porto. Mas também há uma aposta em novas regiões como na Madeira, Açores, Vila Real ou Viseu, de acordo com o presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, Óscar Gaspar.
Comentários