UPLOAD LISBOA 2014: Uma lição de marketing digital

A escassez de competências significa uma procura enorme por pessoas e profissionais com experiência e conhecimento nesta área, afirmou ao OJE Stephen Waddington, especialista em digital e social media, uma das estrelas da conferência, que juntou (não por acaso) mais de 500 pessoas. O auditório da Escola Superior de Comunicação Social, em Benfica, foi pequeno, […]

A escassez de competências significa uma procura enorme por pessoas e profissionais com experiência e conhecimento nesta área, afirmou ao OJE Stephen Waddington, especialista em digital e social media, uma das estrelas da conferência, que juntou (não por acaso) mais de 500 pessoas.

O auditório da Escola Superior de Comunicação Social, em Benfica, foi pequeno, literalmente pequeno, para acolher a 5ª edição do UPLOAD Lisboa. Com lotação esgotada várias semanas antes, mais de meio milhar de empreendedores, jovens especialistas em marketing digital e formadores desta área apinharam-se para aquela que foi uma grande “aula” da comunicação digital.

Ao longo do dia, Vírgina Coutinho, uma dos três jovens impulsionadores do UPLOAD Lisboa, foi introduzindo conferencistas e temas: estratégia digital, real time marketing, social media, gestão de crises, big data e content marketing. No final o que há a reter?

Ouvindo Parry Malm, digital marketeer e Presidente da Howling Mad, empresa que gere orçamentos de cinco milhões de libras (6,4 milhões de euros) para empresas de software, fica-se com a certeza de que é possível melhorar os negócios negócios na internet e fazer dinheiro com eles. O correio eletrónico até pode ter perdido importância no ranking das prioridades estratégicas dos profissionais de marketing, mas continua a ser uma ferramenta capital na comunicação das marcas, produtos e empresas sobre todas as outras formas de comunicação, defendeu o orador.

Ilustrando a importância desta ferramenta, Parry Malm revelou que a cada segundo que passa são enviados no mundo uns incríveis 1.672.000 e-mails. No mesmo segundo, por exemplo, realizam-se 1024 chamadas via Skipe, são enviados 3935 Tweets, efetuadas 33.333 pesquisas no Google e realizadas 46 333 visualizações no YouTube.

“The e-mail is the killer app”, sublinhou Parry Malm, que a seguir recomendou o que pode ser feito para “recuperar” esta ferramenta para a estratégia digital: Faça um planeamento de marketing focado em dados dos potenciais consumidores utilizando o e-mail em ferramentas que utilizam a tecnologia “CRM re-targeting”; Use o e-mail para mostrar como é único”; e por fim, reveja o público-alvo de acordo com os dados obtidos. A adequação da mensagem ao público-alvo traduzir-se-á seguramente por um aumento das vendas.

Stephen Waddington, especialista em digital e social media era outro dos conferencistas muito aguardado. O diretor da Ketchum Europa, representada em Portugal pela consultora de comunicação IPSIS, explicou ao OJE que as empresas estão a reconhecer o potencial das novas formas de comunicar e novos meios de comunicação, nomeadamente as chamadas comunidades e redes sociais que são usadas para interagir com seu público e stakeholders. Isso – acrescentou – está a provocar uma mudança fundamental na forma como as organizações comunicam, que se está a mover rapidamente das empresas de relações públicas para as de marketing, e do atendimento ao cliente para os recursos humanos.

“Há uma enorme onda de inovação que as organizações procuram adotar dentro das novas tecnologias e fluxos de trabalho, que pretende abraçar novas formas e meios de comunicação”, sublinhou.

Stephen Waddington referiu que os jovens que cresceram com a Internet são os mais indicados para assimilar todas estas novas tecnologias, contrastando com os líderes das empresas que têm tipicamente mais de 45 anos, e para quem estas novas formas de comunicar são uma novidade. E estas necessidades e capacidades criaram uma oportunidade para os jovens empreendedores, que são capazes de criar soluções e serviços para ajudar as organizações.

Paralelamente, salienta o diretor da Ketchum Europa, a escassez de competências significa também que há uma procura enorme por pessoas e profissionais com experiência e conhecimento nesta área digital, pessoas que tenham formação nesta área e que se apresentem como uma mais-valia para as empresas.

A área digital, das novas formas de comunicar e dos novos media é, sem dúvida, uma oportunidade enorme e um desafio emocionante para os jovens, que procuram cada vez mais formações deste âmbito, concluiu.

 

5 dicas de Parry Malm ao OJE

Como ganhar dinheiro com o e-mail marketing

1 -Escreva na linha do “subject” uma frase surpreendente e apelativa. A linha onde se escreve o assunto do e-mail é 100% lida e a solução é testar para ver como funciona, aprender com os resultados, e aplicá-los em futuras campanhas.

2 – Não se foque em resultados de campanhas individuais. Não se preocupe com 1% de resposta que pretende alterar. Mantenha o foco em resultados longitudinais.

3 – Peça às pessoas para comprar. Parece básico, mas muitos marketeers têm receio de ser considerados spam. A questão é muito simples, se também não perguntar, também não o vai conseguir!

4 – Branding na Caixa de Inbox. Já pensou porque razão a Amazon envia milhões de e-mails, que nunca chegam a ser abertos? Porque eles usam a sua caixa de e-mail para se manterem no top of mind dos consumidores! Mais e-mails = Mais visualizações = Mais dinheiro!

5 – Divirta-se! O e-mail marketing não precisa de ser chato. Teste as coisas, aprenda os números, analise o seu público… e não se deixe levar muito a muito a sério!

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?